Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Advogado do terror

Cultura

Luiz Carlos Merten

12 Julho 2008 | 18h46

Entre os filmes que estrearam ontem, há um que vocês não podem perder – ‘O Advogado do Terror’, de Barbet Schroeder, sobre Jacques Vergès, que começou como advogado da Frente de Libertação Nacional, que lutava contra o colonialismo francês na Argélia. Convencido de que todo mundo tem direito de defesa, Vergès começou defendendo terroristas de esquerda e, com o tempo, passou ao outro extremo, defendendo o nazista Klaus Barbie, ditadores como Saddam Husseion e Milosevic, e até Carlos, o Chacal. O filme é perturbador. Barbet Schroeder já havia feito ‘General Idi Amin Dada’, sobre o ex-ditador de Uganda, que Forest Whitaker deve ter visto umas 100 vezes até mimetizar o personagem que lhe deu o Oscar. Schroeder já se recusava a ‘condenar’ Idi Amin. Mostrava-o tal como era, e isso desconcertava o público, que ficava sem saber se o filme era a favor ou contra. Diretor de ficções e documentários, Barbet voltou ao segundo com seu ‘auto-retrato’ de Vergès. O barato do filme é que olha o personagem sem emitir nenhum julgamento ético. Cabe ao espectador decidir se Vergès tem ética – que ética é esta? – ou se ele é uma influência malsã. Barbet Schroeder nasceu no Irã, de ascendência francesa. Foi colaborador nos ‘Cahiers du Cinéma’, repórter fotográfico, produtor e diretor. Não gosto muito de sua obra norte-americana – ‘Mulher Solteira Procura’ e o remake de ‘O Beijo da Morte’, com Nicolas Cage’, mas ‘O Reverso da Fortuna’ é intrigante e os filmes franceses são, como ‘O Advogado’, perturbadores. Barbet fala de drogas, perversões. Depois de ‘O Advogado do Terror’, ele já voltou à ficção, e eu quero falar justamente de ‘Inju’, o novo filme, que fez no Japão. Benoit Magimel, que está virando o ator-fetiche de Claude Chabrol – o equivalente masculino de Isabelle Huppert -, faz escritor francês que vai a Kioto autografar o novo livro e se envolve com uma gueixa sado-masô perseguida por um psicopata (ou coisa que o valha). Vi umas fotos bem ‘calientes’. Guardem o título – ‘Inju’ – e aproveitem para ver ‘O Advogado do Terror’. Mas preparem-se. O filme não oferece refresco, não.