Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » A revanche de Padilha

Cultura

Luiz Carlos Merten

24 Janeiro 2008 | 17h27

Ontem de manhã, ainda estava no Rio e fui à produtora do José Padilha, no Jardim Botânico, para entrevistá-lo e ao Wagner Moura, que mora ali do lado. Já era parte dos meus preparativos para o Festival de Berlim. Amanhã, embarco para a Europa, três dias em Paris e oito ou nove na Espanha, entre Madri e Barcelona. Fico por lá mesmo e engreno em seguida com o Festival de Berlim, que começa dia 7 de fevereiro, com a exibição do documentário do Scorsese sobre os Rolling Stones. Para garantir, resolvi entrevistar o Padilha e o Wagner, já que depiois talvez não tenha tempo e também é muito mais complicado ficar falando pelo telefone. É incrível, mas ‘Tropa de Elite’ é um filme que não deixa de despertar reações apaixonadas, pró e contra. Aqui mesmo no blog, bastou falar de ‘O Ano em Que Meus Pais de Férias’, que não foi selecionado para o Oscar, e a polêmica do ‘Tropa’ já entrou rachando. Padilha está muito animado com o fato de o filme competir em Berlim. Tem um sabor de revanche para ele. No Brasil, o filme virou um fenômeno social tão forte que o diretor diz que o que menos se falou do ‘Tropa’ foi como cinema. O filme já tinha sido selecionado para o Panorama, em Berlim, quando Harvey Weinsten entrou em campo dizendo que queria a competição, mas não podia esperar muito por uma decisão. Se Berlim não colocasse o ‘Tropa’ na disputa pelo Urso de Ouro, o Weinstein, distribuidor internacional do filme, iria com ele para o Sundance. O resultado foi que ‘Tropa’ foi anunciado logo na primeira leva de filmes selecionados por Berlim. Padilha tem dado muitas entrevistas para jornais e revistas européias e norte-americanas, já por conta de Berlim. Seu sonho é ir com o filme para o Oscar, repetindo o que ocorreu com Fernando Meirelles, por ‘Cidade de Deus, mas o legal é que esse sonho do Padilha passa pelo Wagner. O que ele mais gostaria de ver é o Wagner indicado na categoria de melhor ator. Wagner volta de Berlim e começa a ensaiar ‘Hamlwet’, de Shkespeare, que vai montar com direção de Aderbal Freire Júnior. A peça deve estrear em junho, em São Paulo, no Teatro da FAAP. E, ah, sim, muito importante – a Gertrudes de Wagner será Carla Ribas, de ‘Casa de Alice’.

Encontrou algum erro? Entre em contato