Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » ‘A Few Good Men’

Cultura

Luiz Carlos Merten

29 Junho 2010 | 20h24

CANCUN – Devo estar realmente muito emotivo, porque já tenho experiencia de vida suficiente para saber que muitas vezes, senao sempre, choramos por nós mesmos e nao pelos outros. Tantos amigos que já se foram, pessoas queridas. Sinto-me um sobrevivente. Até quando? Depois da coletiva de Eat Pray Love e da entrevista com Dwayne Johnson, o The Rock, astro de Faster, fui para o quarto onde revi A Few Good Men. Como se chamava mesmo no Brasil o thriller de tribunal de Rob Reiner? Na época, ele já havia feito Harry e Sally – Feitos Um para o Outro, com a cena cult do restaurante em que Meg Ryan simula um orgasmo para Billy Crystal e a mulher da mesa ao lado pede o mesmo prato que provocou o extase da protagonista. Depois daquela comédia romantica clássica, Rob Reiner atracou-se com o filme de corte marcial e mostrou o jovem Tom Cruise e Demi Moore como dupla de advogados militares que tenta provar a inocencia de dois fuzileiros acusados de assassinato na base de Guatánamo, em Cuba. Kevin Bacon faz o advogado que defende a instituicao, o governo dos EUA. Tom e Demi estao perdendo o caso quando ela tem a inspiracao de que devem chamar para depor o militar interpretado por Jack Nicholson. Ele representa o establishment norte-americano no que tem de mais arrogante. Acha-se no direito divino de fazer nao importa o que em defesa da pátria. Lembro-me de Samuel Johnson, citado por Stanley Kubrick a propósito de Glória Feita de Sangue – o patriotismo é o último refúgio dos canalhas. O que os militares fizeram no Brasil em nome da defesa da pátria… Nos EUA, entao, as guerras incrementam a economia e nao importa muito que os lucros sejam adubados com o sangue dos mortos.Casualities of war. De volta ao filme de Rob Reiner, a única chance dos fuzileiros de Tom Cruise está na cartada decisiva que ele joga – tem de deixar Jack Nicholson acuado e extrair dele uma confissao, a de que deu a ordem que levou à morte em Guantánamo. A cena vai num crescendo e os dois atores estao poderosos. Quando Cruise pergunta – ‘Colonel, did you or did you not give the order?´’ -, Nicholson se descontrola e confessa. O embate nao é só dos personagens, é dos atores e Cruise sustenta o tranco de fazer frente a Nicholson. Como disse antes, devo estar muito emotivo. Estava recostado na cama. Dei um pulo de gato. Puta filme bom. Uma defesa da legalidade. Nao me lembro exatamente de quando é A Few Good Men, mas deve ser de 1990, por aí. O horror se instituiria de forma muito mais forte depois do 11 de Setembro e Guantánamo virou a excrecencia jurídica que o próprio cinema ajudou a denunciar e desmontar. Rob Reiner já tratava disso há 20 anos, ou quase. Nao gosto de Demi Moore. Quero dizer, acho-a inexpressiva, na maioria das vezes. Aqui, ela é ótima, mas Tom… É um de seus melhores filmes (e papeis), eu acho.