Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Yngwie Malmsteen, o deus da guitarra

Cultura

Estadão

07 Dezembro 2007 | 15h15

yn

A primeira vez que eu ouvi Yngwie Malmsteen foi no meu aniversário de 15 anos, quando meus amigos Pit e Yves me deram o LP de presente (o disco estava aberto porque eles não aguentaram esperar e abriram uns dias antes). Outro amigo, Victor Birner, disse que se eu conseguisse tocar qualquer música do disco ‘Rising Force’ a minha banda poderia abrir um show do Made in Brazil, o que na época (1985) era considerado algo importante. Bons tempos.

É claro que eu não consegui tocar nenhuma música. Se nem hoje eu consigo…

Para quem não conhece, Yngwie Malmsteen foi o primeiro guitarrista a tocar música clássica de verdade na guitarra elétrica. Antes vieram Ritchie Blackmore, do Deep Purple, e Steve Howe, do Yes, mas Yngwie é o maior virtuoso de todos e revolucionou ao tocar escalas menores, melodias diminutas e arpegios eruditos numa velocidade inacreditável. Nunca ninguém tinha tocado naquela velocidade na história do rock. Antes dele, talvez apenas o violinista Niccolò Paganini, no século 19. É por isso que Yngwie ganhou o apelido de ‘Paganini da guitarra’. Da Fender Stratocaster, para ser mais exato.

Em 1987, quando morava nos Estados Unidos, tive a chance de ver o Yngwie ao vivo pela primeira vez. Era um show em Dallas, Texas, com a Lita Ford (uma loiraça de calça de couro justa por quem eu era apaixonado na época) e o Black ‘n Blue na abertura. Daí entrou o Yngwie e eu continuei sem acreditar que alguém podia tocar guitarra daquele jeito. Parecia fácil, mas era muito rápido e preciso. Desde que ele apareceu, o mundo dos guitarristas nunca mais foi o mesmo.

Ontem fui ao show do Yngwie Malmsteen no Citibank Hall. A abertura ficou a cargo dos meus amigos do Dr. Sin, músicos (quase) tão bons quanto Yngwie. O guitarrista Edu Ardanuy também é um mestre, qualquer dia aprendo a tocar como ele… 🙂

O Yngwie envelheceu um pouco e o som ficou meio exagerado e datado. Claro que ainda fiquei feliz de pegar a palheta (ele joga dezenas de palhetas durante o show) e de vê-lo tocando. É um gênio. E, como alguns gênios, totalmente excêntrico: ele é obcecado por guitarra (Yngwie passou o som durante horas antes do show e sem falar com ninguém); ele é obcecado por suas Ferraris (Yngwie é sueco, mora em Miami e tem duas Ferraris), a ponto de ter no pescoço um colar com o cavalinho; Yngwie já teve problemas de bebida no passado, então, para não cair em tentação, proibiu todos da banda e equipe de beber qualquer coisa; ele tem um cabelo estranhíssimo; meio peruca, meio aplique; ele parece um bicheiro europeu, cheio de correntes, pulseiras e colares; entre outras esquisitices.

As melhores músicas do show (foto de Daniel Motta) foram: ‘Black Star’, ‘Far Beyond the Sun’, ‘You Don’t Remember (I’ll Never Forget)’ e ‘I’ll See The Light Tonight’. Se bem que não faz diferença: as músicas são apenas desculpas para Yngwie solar durante duas horas ininterruptas. Além de detonar, Yngwie sabe todos os truques da guitarra: joga o instrumento por cima do ombro, toca com os dentes e atrás das costas, joga a guitarra para cima, chuta os amplificadores, e por aí vai. É uma mistura pós-moderna de Hendrix e Mozart.

Yngwie está mais velho e cansado, mas seus solos continuam tão impressionantes quanto aqueles que eu ouvi num disco no longínquo ano de 1985. Obrigado, Yngwie, pela aula de guitarra que já dura 22 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato