Homem que é homem

Estadão

01 Abril 2009 | 10h20

Rambo

Sylvester Stallone é homem à moda antiga: Enche de porrada seus desafetos (Rocky) e metralha seus inimigos (Rambo)

Tentei ser equilibrado e coerente durante os dois anos que este blog existe – isso não quer dizer, claro, que eu tenha conseguido. Mas hoje, não me perguntem por que, decidi fazer um desabafo. Pelo menos uma vez, vou falar tudo que passa pela minha cabeça e que o bom senso me impedia de dizer em voz alta.

Você, macho como eu, sabe como anda difícil ser homem hoje em dia. As mulheres querem que a gente seja sensível, moderno e aceite a igualdade profissional entre os sexos, mas na hora H continuamos a pagar a conta do restaurante. Eu achava que igualdade significava ‘completa semelhança’, mas acho que isso só vale para algumas coisas. Elas exigem o controle remoto, mas não querem ajudar na hora de comprar a TV.

Eu também me preocupo com a manutenção dos direitos masculinos. Homem que é homem, por exemplo, deveria considerar sagrado o direito de sair uma vez por semana com os amigos para tomar uma cervejinha e conversar sobre futebol. Sim, porque enquanto as mulheres fofocam, nós discutimos temas supercomplexos, como a influência da metafísica na escalação do Corinthians ou se a lei da gravidade é constitucional quando aplicada ao corpo da última capa da Playboy.

O homem e a mulher do século 21 ainda estão nascendo, mas algumas coisas estão indo em uma direção que não concordo. Respeito as conquistas femininas, mas conheço mulheres que acabaram deixando a família um pouco de lado para se dedicar à carreira. Na minha humilde opinião, esse comportamento é equivocado e cobra um preço alto demais. Talvez elas compreendam isso mais tarde. Ou tarde demais.

Por mais que a sociedade aceite a igualdade entre nós – e deve aceitar mesmo –, temos sorte porque pelo menos alguns conceitos ainda estão do nosso lado. Temos o privilégio de poder cultivar uma barriguinha (pequena, por favor). Segundo as próprias mulheres, os homens ficam charmosos com a idade. Agora saia por aí perguntando para alguma garota o que ela acha das mulheres mais velhas. O sexo feminino é tão implacável com ele mesmo que eu nem preciso ser.

Em relação a modernidades, homem que é homem não odeia metrossexual, ao contrário do que imaginam algumas mulheres. Em primeiro lugar, porque nem sabe o que é. Em segundo, porque esses carinhas delicadinhos que ficam passando creminho no corpo têm outro nome lá na nossa terra. Homem que é homem não passa creme no rosto, muito menos no corpo. Homem que é homem não tem rugas. Homem que é homem tem histórias.