Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » É melhor amar ou ser amado?

Cultura

Estadão

15 Abril 2009 | 11h16

Só porque este texto começou com uma pergunta não significa necessariamente que ele vai terminar com uma resposta. Aliás, já vou avisando que não vai. Principalmente porque a questão acima não tem uma resposta, mas várias. Hoje você pode acordar com uma opinião na ponta da língua; amanhã seu pensamento pode ser exatamente o contrário.

É claro que há gente que ama e é amado, já que um sentimento não exclui o outro, mas isso acontece apenas em raras vidinhas perfeitas. Você ama uma pessoa, essa pessoa te ama de volta. Ponto final. Há probleminhas, mas basicamente você é feliz. E a vida segue razoavelmente tranquila, com pouco desequilíbrio emocional e eventuais briguinhas resolvidas por meio de deliciosos atos sexuais de reconciliação.

Na verdade, essa pergunta só tem sentido quando os dois sentimentos não acontecem simultaneamente, pelo menos para uma das pessoas envolvidas. Só então a gente acaba sendo obrigado a se perguntar: é melhor amar ou ser amado?

Não há dúvidas de que ser amado tem suas vantagens. Você não sente aquela emoção arrebatadora, mas também não fica tão mal se algo dá errado ao longo do caminho. Já amar dá um pouco mais de trabalho: quem ama fica dependente do objeto da paixão. E há sempre o risco desse amor deixar de ser correspondido, ou seja, a infelicidade pode estar ali, virando a esquina.

Quem é amado recebe; quem ama, dá. Quem é amado tem o poder nas mãos, quem ama está vulnerável como um carro sem freios no topo da ladeira. E, paradoxalmente, um sentimento não existe sem o outro: não adianta nada ter uma montanha de caviar se você está totalmente sem fome.

Tenho certeza de que você já foi amado sem amar, assim como é provável que você já tenha amado sem ter sido correspondido. Esse desencontro faz parte da vida amorosa, cuja formação começa na adolescência. Será mais fácil se apaixonar quando a gente é jovem? Ou a idade não tem relação com a emoção? O amor muda conforme o tempo passa; a gente também. Alguns dirão que amar é melhor quando a gente é adolescente; talvez sejam os mesmos que garantirão que, quando o tempo passa, o melhor mesmo é ser amado.

Será que existe gente que começa a amar e ser amado ao mesmo tempo? Nah. Se fosse assim, as pessoas diriam ‘eu te amo’ ao mesmo tempo, como um jogral. Mas não é isso que acontece: alguém sempre diz antes. É melhor dizer ‘eu te amo’ ou ‘eu também’? Desculpe, mas essa é outra pergunta sem resposta.

Encontrou algum erro? Entre em contato