Greta Gerwig explora ritos de passagem da adolescência em ‘Lady Bird – A Hora de Voar’
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Greta Gerwig explora ritos de passagem da adolescência em ‘Lady Bird – A Hora de Voar’

André Carmona

15 Fevereiro 2018 | 13h47

Saoirse Ronan dá vida à protagonista Christine. Foto: Universal Pictures

Se fosse um livro, Lady Bird – A Hora de Voar seria daqueles que você começa a folhear, despretensiosamente, e, quando percebe, está imerso na história e a ponto de terminá-la, maravilhado.

Não que o filme seja revolucionário, tenha reviravoltas mirabolantes ou siga num ritmo inovador. Ao contrário. A história, que acompanha o amadurecimento de uma garota de 17 anos ao longo do último ano escolar, é simples. E, talvez, este seja o grande mérito de Greta Gerwig, que, com seu primeiro longa solo (ela assina também o roteiro), chega ao Oscar 2018 disputando cinco estatuetas, incluindo a de melhor direção.

Com sensibilidade poética, Greta se volta para um enredo conhecido – as dificuldades e os ritos de passagem da adolescência para a vida adulta. E, para construí-lo, utiliza um pouco de sua própria experiência de vida.


Como ela, a protagonista Christine (Saoirse Ronan) é nascida em Sacramento, na Califórnia, no seio de uma família liberal, e consegue, com o esforço de seus pais, estudar num colégio católico particular. Sob o pseudônimo de ‘Lady Bird’, a garota, que tem uma veia artística latente, se vê em meio às descobertas típicas da idade – as obrigações na escola; o primeiro namorado; e a influência dos amigos. Mas é a relação turbulenta com a mãe (Laurie Metcalf) que dita o ritmo dos acontecimentos.

Permeada por diálogos naturais – e com comicidade na dose exata –, a relação entre as duas, que dão um show de atuação, é a base para um filme deliciosamente cativante. Você vai se emocionar.

Confira a programação completa no Guia de Cinema do Divirta-se

Mais conteúdo sobre:

cinemaLady BirdGreta Gerwig