Entre zines, HQs e livros de artista, um roteiro para ver publicações independentes em São Paulo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Entre zines, HQs e livros de artista, um roteiro para ver publicações independentes em São Paulo

Redação Divirta-se

03 Agosto 2017 | 17h17

A 16ª Feira Tijuana reúne, neste fim de semana, zines e livros feitos por artistas. Confira nosso roteiro com oito locais voltados a publicações independentes

Com o prazer de folhear uma revista ou colecionar edições produzidas em baixa tiragem (algumas quase artesanais), zines, HQs e livros de artista resgatam formas de expressão que não teriam espaço em publicações tradicionais. Neste fim de semana, a cidade recebe mais uma edição da Feira Tijuana, com nomes independentes. Para os fãs do papel, o Divirta-se visitou oito bancas e lojas especializadas em títulos do gênero para todas as idades. Humberto Abdo (especial para o Estado), com colaboração de André Carmona

Foto: Camila Picolo

Na fronteira entre a obra de arte e o formato de livro tradicional, os livros de artista ganham destaque na 16ª Feira Tijuana, que ocupa, neste fim de semana, os três andares da Casa do Povo, com mais de 90 editoras independentes. Além dos nacionais, há expositores de países como Argentina e Chile. R. Três Rios, 252, Bom Retiro, 3227-4015. Sáb. (5) e dom. (6), 12h/19h. Grátis.

+ 5 cidades já receberam a feira – São Paulo, Rio de Janeiro, Buenos Aires, Lima e Porto. Criado em 2009, o evento é considerado pioneiro na venda de livros de artista no Brasil.

+ 93 editoras participam da feira este ano. Entre elas, a Par(ent)esis, de Florianópolis, e a Imprenta Rescate, de Buenos Aires – que produz cartazes e livros em impressora tipográfica.

ENTREVISTA: Maite Claveau
A diretora do Tijuana falou ao Divirta-se.

Foto: Humberto Abdo/Estadão

Como você escolhe o que será vendido na banca?
No começo, muitos artistas traziam seus trabalhos. Quando a feira foi criada, pequenas editoras surgiram e começamos a representá-las. Tentamos trazer um material exclusivo, especialmente publicações de artista, além de quadrinhos e zines.

E como surgiu a feira?
Foi uma parceria da Vermelho com a francesa CNEAI, que tinha uma feira em Paris e fez uma edição no Brasil, com cerca de 20 expositores. No ano seguinte, foi criada a Feira Tijuana.

Qual é a origem do nome?
Tijuana é uma cidade situada entre os Estados Unidos e o México. E essa ideia de fronteira representa bem o livro de artista – uma produção que oscila entre o que é visto como obra de arte e o que é considerado um livro.

Confira um roteiro com oito bancas e lojas especializadas em zines, HQs e publicações independentes:

Foto: Edouard Fraipont

+ Dedicado à distribuição e venda de livros de artista e publicações independentes, o espaço fixo Tijuana surgiu em 2007, instalado em um corredor da Galeria Vermelho. Quando o formato de banca (foto acima) foi criado, em 2013, a marca já trabalhava com sua feira e havia lançado o selo Edições Tijuana, para publicação de obras próprias. Nas estantes, são expostos trabalhos de editoras de vários países latino-americanos. R. Minas Gerais, 350, Higienópolis, 3138-1525. 10h/19h (sáb., 11h/17h; fecha dom. e 2ª). Fecha sáb. (5).

Foto: Humberto Abdo/Estadão

+ A Comix Book Shop (foto acima) começou como uma banca de jornal na Alameda Lorena, em 1986. Passadas três décadas, a loja tornou-se referência em quadrinhos. Ao todo, são oito mil títulos, entre mangás, novelas gráficas e produtos relacionados. Jorge Rodrigues, um dos donos da casa, explica o sucesso: “A cultura pop evoluiu muito nos últimos anos, devido aos filmes e às séries de TV.” Hoje, o HQ mais vendido é o ‘DC Renascimento: Batman’, lançado este ano. Al. Jaú, 1.998, Jd. Paulista, 3088-9116. 10h/20h (sáb., 10h/18h; fecha dom.).

Foto: Humberto Abdo/Estadão

+ Espaço voltado exclusivamente a publicações independentes, a Banca Tatuí (foto acima) foi idealizada pelos fundadores do Lote 42, selo que hoje integra o catálogo da loja. Com mais de 160 editoras, o local vende títulos de vários gêneros, como fotografia, poesia, zines e quadrinhos – também disponíveis na loja virtual. Um dos mais vendidos, ‘Guia Fantástico de São Paulo’, de Ángela León, mistura pontos turísticos famosos com locais inventados. R. Barão de Tatuí, 275, S. Cecília, 97617-1538. 10h/18h30 (fecha dom.).

Foto: Humberto Abdo/Estadão

+ O ‘lado B’ dos quadrinhos. A Ugra Press poderia muito bem ser encaixada nesta categoria. Com três mil títulos, o acervo da loja física, aberta em 2015, reflete o espírito alternativo de seus donos, Douglas e Daniela Utescher (foto acima). A especialidade da casa, que também promove eventos especiais nos fins de semana, são as publicações independentes. Ganham força HQs, livros e zines sobre temas que transcendem o super-herói – da música ao ativismo político. R. Augusta, 1.371, lj. 116, Consolação, 3589-5459. 12h/20h (sáb., 10h/19h; fecha dom.).

Foto: Humberto Abdo/Estadão

+ Aberta há dez anos, a Cidade de Papel (foto acima) costuma atrair alunos de escolas da região com suas prateleiras lotadas de histórias em quadrinhos – que incluem edições dos heróis da DC e da Marvel –, zines, títulos nacionais, revistas e uma boa seleção de mangás. A loja também vende jogos de carta de RPG e organiza, todo sábado, sessões de card games do Pokémon. R. Nazaré Paulista, 267, V. Madalena, 3868-1544. 9h/18h (sáb., até 15h; fecha dom.).

Foto: Livraria Cultura

+ Em 2012, a Livraria Cultura decidiu se voltar para o público ‘nerd’. Assim nasceu a loja Geek.Etc.Br (foto acima), no Conjunto Nacional, que conta com um acervo amplo de quadrinhos, livros, consoles, DVDs, CDs, miniaturas, card games… Um paraíso que soma seis mil produtos para otakus (os fãs de animês e mangás), cinéfilos e gamers. Av. Paulista, 2.073, metrô Consolação, 3170-4033. 9h/22h (dom., 11h/20h).

Foto: Humberto Abdo/Estadão

+ Desde 2012, a Feira Plana divulga publicações de designers e editores independentes. No 2º andar da galeria Pivô, a criadora do evento, Bia Bittencourt, reuniu um acervo especial desses trabalhos, enchendo as estantes com zines nacionais e títulos garimpados em outros países. A biblioteca da Plana (foto acima) é aberta ao público e conta com uma pequena livraria. Excepcionalmente, no mês de agosto, as visitas devem ser agendadas (bia@planafestival.org). Ed. Copan. Av. Ipiranga, 200, lj. 54, República, 3255-8703. 13h/19h (fecha dom. e 2ª).

Foto: Humberto Abdo/Estadão

+ A Gibiteria (foto acima), comandada por Octávio da Costa e Guilherme Lorandi, tem um acervo de artistas independentes expostos em uma mesa (foto acima), além de lançamentos famosos, como a nova edição do mangá ‘Akira’. As prateleiras abrigam graphic novels nacionais e HQs de super-heróis e outros personagens icônicos. “A série ‘Planetary’ e ‘A Saga do Monstro do Pântano’ são alguns dos meus favoritos”, recomenda Octávio. Pça. Benedito Calixto, 158, 1º andar, Pinheiros, 3167- 4838. 12h/20h (sáb., 10h/19h; fecha dom.).