1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Em 'Malévola', outra faceta da vilã de 'A Bela Adormecida' é explorada

Redação Divirta-se

29 maio 2014 | 19:00

Malévola não era má. A revelação está no filme batizado com o nome da fada que ganhou fama ao enfeitiçar Aurora, a ‘Bela Adormecida’. Já em cartaz,  Malévola, produção da Disney estrelada por Angelina Jolie, mostra o lado mais perverso do homem. O homem como único ser – sobre todas as criaturas – capaz de ser traiçoeiro, ganancioso, cruel e desprovido de amor – até mesmo pelo seu semelhante.

Há muito tempo, em um reino de seres fantásticos, a fadinha Malévola, que nunca vira um humano, encontra Stefan, garoto que invade sua floresta. Os dois crescem como amigos até que, um dia, o rapaz dopa a moça e corta-lhe as asas (parte do corpo) em troca do trono no castelo dos homens.

Amputada e sangrando, Malévola transforma um galho de árvore em cajado e nele se apoia para tentar se erguer. No mesmo instante, as criaturas luminosas perdem o brilho, surge uma barreira contra os homens na entrada da mata e o mundo fica sombrio. É fim da pureza e o princípio do medo.

Inspirado em versões antigas da história, o drama não exclui a beleza da fábula moderna, que, apesar de soturna, encanta a garotada. Isso ocorre porque o enredo justifica o mundo das trevas, sem fazer terrorismo. Não é, porém, um ‘filme de adulto’, como chegou-se a especular. É para toda a família.

Entretanto, a atuação de Angelina é mesmo de gente grande. Sem exagerar nas expressões, ela transmite força à personagem. E, assim como aparece na vida real, está linda e poderosa. Durante as filmagens, ela contracenou com Vivien, uma de suas filhas, que faz uma ponta como a pequena Aurora. A explicação para sua escolha é simples: todas as outras crianças selecionadas para o papel se espantavam com os chifres da fada e saíam correndo.
No mais, a história é relativamente previsível. Malévola desconta sua amargura na filha de Stefan, a ‘praguinha’, como ela se refere a Aurora. E só o verdadeiro amor (sim, ele existe!) é capaz de superar o ódio. Fernanda Araujo