40ª Mostra de Cinema: confira os destaques selecionados pelo Divirta-se
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

40ª Mostra de Cinema: confira os destaques selecionados pelo Divirta-se

Redação Divirta-se

20 Outubro 2016 | 18h50

SWEET_DREAMS-Photo3-ValerioMASTANDREA

Foto: divulgação

Até 2/11, 35 espaços recebem a programação da 40ª Mostra Internacional de Cinema. Neste ano, são 322 filmes, entre curtas e longas, de cerca de 50 países. Há clássicos restaurados; retrospectivas de cineastas consagrados; filmes premiados em grandes festivais; e produções de jovens diretores.

Para você não se perder, selecionamos alguns destaques desta edição. Tem, por exemplo, uma homenagem a Marco Bellocchio – que estreia aqui seu novo longa ‘Belos Sonhos’ (foto), e assina o cartaz e a vinheta oficiais da Mostra. Há também sessões dedicadas ao cinema polonês e uma boa leva de títulos brasileiros. Nas últimas páginas, críticos ainda indicam suas apostas entre os filmes deste ano.

Dica importante: a programação pode ser alterada ao longo do evento. Por isso, sempre confirme as sessões antes de sair (40.mostra.org). Celso Filho e Renato Vieira (com colaboração de Luiz Carlos Merten, Luiz Zanin Oricchio e Ubiratan Brasil)

INGRESSOS E PACOTES

– Ingresso avulso: R$ 18 (2ª a 5ª)/R$ 20 (6ª, sáb. e dom.)
– Permanente integral: R$ 460
– Permanente especial: R$ 107 (para sessões de 2ª a 6ª, até 17h55)
– Pacote 40 ingressos: R$ 340
– Pacote 20 ingressos: R$ 200
Central da Mostra. Conj. Nacional. Av. Paulista, 2.073, metrô Consolação. 11h/21h. Até 2/11. Ingressos avulsos só são vendidos pelo site www.ingresso.com

FOCO POLÔNIA

wrblewski-wedug-wajdy-fot-robert-maoszowski-4

Foto: Robert Maoszowski/divulgação

ANDRZEJ WAJDA
Falecido em outubro, o grande diretor polonês Andrzej Wajda tem seus filmes exibidos em retrospectiva na Mostra. Nascido em 1926, Wajda é sinônimo de cinema político. ‘Kanal’ e ‘Cinzas e Diamantes’ denunciam os crimes do stalinismo; e ‘O Homem de Ferro’ e ‘O Homem de Mármore’ prefiguram a abertura e a ascensão do Sindicato Solidariedade. Wajda biografou o líder Lech Walesa e, num dos seus últimos trabalhos, ‘Katyn’, denunciou o massacre de oficiais poloneses pelo exército soviético na 2ª Guerra.

DECÁLOGO
Em 1988, o diretor Krzysztof Kieslowski produziu para TV a série de dez episódios ‘Decálogo’, que apresenta histórias contemporâneas, inspiradas nos mandamentos bíblicos. Toda essa produção é apresentada na Mostra, dentro da programação do Foco Polônia, em diferentes sessões. Na 3ª (25), por exemplo, é possível assistir aos episódios de 1 a 4 no Espaço Itaú – Augusta, a partir das 19h20.

CONTEMPORÂNEOS
O Foco Polônia também reúne produções recentes do país. É o caso do documentário ‘Todas Essas Noites Sem Dormir’, que rendeu o prêmio de direção do Festival Sundance ao cineasta Michal Marczak. No filme, as aventuras de dois amigos que querem levar a vida ao extremo. Marczak, inclusive, estará no Brasil durante a Mostra. Frei Caneca: 28/10, 20h; 2/11, 21h15. Cinesala: 29/10, 21h20. CCSP: 1º/11, 15h.

HOMENAGEADOS

BELLOCCHIO
Em ano tão turbulento, a Mostra tinha de assumir tom político. Nesse sentido, não haveria melhor homenageado que o italiano Marco Bellocchio, cineasta desde a juventude sintonizado com seu tempo. Bellocchio vem a São Paulo, dá master class e apresenta seu novo trabalho, ‘Belos Sonhos’. Títulos mais antigos serão revisitados, como ‘Bom Dia, Noite’, sobre o assassinato do líder da Democracia Cristã, Aldo Moro, pelas Brigadas Vermelhas; e ‘Vincere’ (foto), sobre o fascismo de Mussolini.

vincere5

Foto: divulgação

FRIEDKIN
Com ‘Operação França’, de 1971, produção vencedora de cinco Oscars, o diretor William Friedkin
reinventou o gênero policial. A Mostra celebra os 45 anos do longa, que retrata os detetives Popeye Doyle (Gene Hackman) e Buddy Russo (Roy Scheider)em sua caça pelo traficante de drogas francês Alain Charnier (Fernando Rey). Após a exibição, Friedkin faz uma master class mediada por Daniela Thomas e Sergio Dávila. Frei Caneca: 30/10, 18h (filme) e 20h (master class).

KIAROSTAMI
Esta é a 10ª participação do israelense Abbas Kiarostami na Mostra – inclusive, em 2004, ele foi homenageado com uma retrospectiva. Morto em julho passado, ele é lembrado com duas produções recentes, exibidas em sequência: o documentário ‘76 Minutos e 15 Segundos com Kiarostami’, de Seifollah Samadian; e seu novo curta, ‘Me Leve pra Casa’. Cinearte: 3ª (25), 18h. Cinesesc: 4ª (26), 22h20. Espaço Itaú – Augusta: 5ª (27), 21h20. Cinesala: 31/10, 16h.

PITANGA
Por sua atuação em mais de 50 filmes, ao longo de 55 anos de carreira, Antonio Pitanga será homenageado com o Prêmio Leon Cakoff. O documentário ‘Pitanga’, dirigido por Beto Brant e pela filha de Antonio, a atriz Camila Pitanga, relembra os passos do ator, que já trabalhou com diretores como Glauber Rocha, Cacá Diegues, Walter Lima Jr. e Anselmo Duarte. Frei Caneca: sáb. (22), 19h50. Cinearte: 28/10, 15h30. Cinemateca: 30/10, 17h.

FILMES QUE BRIGAM PELO OSCAR

A disputa pelo Oscar de melhor filme estrangeiro em 2017 conta com 85 produções inscritas. Dez delas poderão ser vistas na Mostra deste ano e, curiosamente, três longas exibidos no ano passado também estão na disputa pela estatueta dourada.

Morte Em Sarajevo

Entre os filmes deste ano, há nomes poderosos. A começar por Danis Tanovic, que coloca a Bósnia-Herzegovina no páreo com ‘Morte em Sarajevo’ (foto). Premiado pela crítica em Berlim, o longa é ambientado em um grande hotel, que se organiza de forma tensa para receber autoridades para as homenagens em torno do centenário de morte de Franz Ferdinand, herdeiro do império austro-húngaro, assassinado em Sarajevo por um estudante sérvio. O episódio detonou a 1ª Guerra Mundial, em 1914. Tanovic une humor e cinismo para mostrar que a História se repete.

Já a França será representada pelo poderoso ‘Elle’, do holandês Paul Verhoeven. Recheado de violência sexual, situações perversas e personagens egoístas, o longa vem causando sensação desde que foi exibido em Cannes, neste ano. Preste atenção nos ácidos diálogos proferidos por Isabelle Huppert.

A Mostra traz também agradáveis surpresas, como o finlandês ‘O Dia Mais Feliz da Vida de Olli Mäki’. A história se passa em 1962, quando Olli é um boxeador que vai tentar a inédita conquista para o país do título mundial dos penas. Bom lutador, ele é tímido e apaixonado, e a mistura… Bem, vale conferir. Sua lista tem de incluir ainda ‘The Salesman’, de Asghar Farhadi, do Irã; e ‘Diário de um Maquinista’, de Milos Radovic, representando a Sérvia. Ubiratan Brasil

UMA SELEÇÃO DOS PREMIADOS

Na entrevista que deu ao Estado, Renata de Almeida lembrou os tempos heroicos da Mostra, quando Leon Cakoff e ela garimpavam, nos maiores festivais do mundo, os filmes que iam apresentar no evento. Os tempos mudaram. Com a internet, tudo ficou mais fácil. Centenas de filmes inscrevem-se e enviam links. Mas Renata, agora sem Leon – morto em 2011 -,segue indo a Berlim e a Cannes para a colheita da Mostra. A edição deste ano, de número 40, está particularmente rica em títulos que passaram pela Berlinale e lá foram premiados. E, como não existe uma fórmula, tem desde um filme ‘curto’ (menos de 100 minutos) de Danis Tanovic, ‘Morte em Sarajevo’, até outro de 8 horas do filipino Lav Diaz, ‘Canção para um Doloroso Mistério’. São belíssimos. ‘Morte em Sarajevo’ ganhou o Urso de Prata e ‘Canção…’, o Prêmio Alfred Bauer, para um filme particularmente inovador em sua forma.

Mimosas Mostra

Foto: Divulgação

Também de Berlim está vindo ‘Hedi’, do tunisiano Mohamed Ben Attia, que venceu os prêmios de melhor ator e de melhor filme de diretor estreante. Uma história fortíssima sobre um homem que se cansa de viver como espera sua família, especialmente a mãe. A seleção de Cannes também traz filmes vencedores – ‘Mimosas’ (foto acima), de Oliver Laxe, que venceu a Semana da Crítica; ‘Lobo e Ovelha’, de Shahrbanoo Sadat, que venceu o prêmio da Confederação Internacional de Cinemas de Arte e Ensaio; e o estiloso ‘The Handmaiden’, de Park Chan-wook, que venceu o Prêmio Vulcain e causou sensação por suas cenas de sexo. Do Sundance virá o vencedor do prêmio especial do júri, ‘O Nascimento de uma Nação’, de Nate Parker – que Renata de Almeida vai usar como ponto de partida para um grande debate sobre racismo. Luiz Carlos Merten

MOSTRA BRASIL

CINEMA NOVO

Foto: Divulgação

Neste ‘filme-manifesto’ (foto), o diretor Eryk Rocha presta uma homenagem ao movimento cinematográfico de que seu pai, Glauber Rocha, foi um dos expoentes. ‘Cinema Novo’ venceu o prêmio Olho de Ouro do Festival de Cannes deste ano. Frei Caneca: 31/10, 20h40. Cinesala: 2/11, 20h20.

AXÉ
Povo de um Lugar’, Chico Kertész documenta o nascimento do gênero musical por meio de depoimentos de artistas como Caetano Veloso, Daniela Mercury e Ivete Sangalo. Frei Caneca: 2ª (24), 20h. Cinesala: 3ª (25), 14h. Reserva Cultural: 31/10, 15h30.

ENTÃO MORRI
Mesclando documentário e ficção, este filme de Bia Lessa e Dany Roland conta a história de uma mulher, do nascimento até a morte. O detalhe é que a personagem é vivida por pessoas reais, a partir de seus próprios cotidianos. Frei Caneca: sáb. (22), 22h; 4ª (26), 17h; 1º/11, 15h30.

VINICIUS
Recém-restaurado, o documentário ‘Vinicius de Moraes, um Rapaz de Família’ (1983) ganha exibição especial. Antes, Eucanaã Ferraz faz uma apresentação sobre o filme. A direção é de Susana Moraes e a fotografia, de Pedro de Moraes, filhos do poeta. Frei Caneca: 6ª (21), 20h

ERA O HOTEL CAMBRIDGE
Hotel Cambridge

Foto: Divulgação

A diretora Eliane Caffé e o ator José Dumont repetem a parceria feita em ‘Narradores de Javé’ (2003). Misturando intérpretes e sem-teto que moram no hotel citado no título, o filme joga luz nas tensões da ocupação e em seus dramas cotidianos. Cinearte: 3ª (25), 21h50. Cinesesc: 5ª (27), 15h. Frei Caneca: 1º/11, 18h10.

SESSÕES GRATUITAS E AO AR LIVRE

NOITES DE CABÍRIA

Foto: Divulgação

Para celebrar o centenário de Paulo Emílio Sales Gomes, as já tradicionais exibições no vão livre do Masp apresentam uma seleção da lista pessoal do crítico e professor. Um deles é ‘Noites de Cabíria’ (1957; foto), de Federico Fellini. Giulietta Masina é Cabíria, moça que se prostitui enquanto sonha com o verdadeiro amor. O filme venceu o Oscar de melhor filme estrangeiro e concorreu à Palma de Ouro em Cannes. Masp (vão livre): 28/10, 19h30.

A GENERAL

Foto: Divulgação

Pela primeira vez, o encerramento da Mostra ocorre na área externa do Auditório Ibirapuera. Antes da premiação do evento, a Orquestra Sinfônica Heliópolis acompanha a exibição de ‘A General’ (1926), com roteiro e direção de Buster Keaton e Clyde Bruckman. O clássico, com Keaton no papel principal, se passa durante a Guerra Civil Americana. Auditório Ibirapuera (plateia externa): 2/11, 20h30.

CIRCUITO SPCINE
Unidades dos CEUs e outros espaços culturais ligados ao Circuito Spcine vão exibir filmes de temática jovem. Um deles é ‘Blanka’, co-produção entre Filipinas, Japão e Itália. A criança que dá nome ao filme sobrevive em Manila cometendo furtos para ‘comprar’ uma mãe. Ao conhecer Peter, um músico de rua cego, sua vida vai mudar. Kohki Hasei assina o roteiro e a direção – este é seu primeiro longa de ficção. CEUs (diversas unidades): 5ª (27), 17h30.

40 ANOS DE MOSTRA

LÚCIO FLÁVIO, O PASSAGEIRO DA AGONIA

Foto: Divulgação

Vencedor do prêmio do público da 1ª Mostra, o longa foi dirigido por Hector Babenco e sua exibição, por tabela, homenageia o cineasta morto este ano. Reginaldo Faria (foto) interpreta o personagem-título, criminoso que se tornou um dos mais conhecidos da crônica policial brasileira. Cinearte: 29/10, 21h50.

VARIETY
Exibido na 9ª Mostra, o filme de 1983 foi dirigido por Bette Gordon, que faz do júri desta edição do evento. Na produção, Sandy McLeod interpreta uma bilheteira de cinema pornô. MIS: 4ª (26), 17h15. Cinusp: 5ª (27), 19h. Cinemateca: 28/10, 17h. Cinesesc: 31/10, 18h40.

O QUARTO HOMEM
Sucesso de público na 8ª Mostra, o filme de Paul Verhoeven conta a história de um bissexual que se envolve com uma mulher cujos maridos morreram em acidentes. Cinemateca: 6ª (21), 21h. Cinesesc: sáb. (22), 17h30. Cinearte: 2ª (24), 17h10. MiS: 2/11, 20h30.

ONE MAN UP
Paolo Sorrentino dirige este longa de 2001, exibido durante a 25ª Mostra. É a história de dois homens com o mesmo nome, um cantor e um jogador de futebol, que têm seus caminhos cruzados. Cinearte: 5ª (27), 20h10. Cinesesc: 29/10, 20h. Frei Caneca: 30/10, 13h30; 1º/11, 16h.

DAUNBAILÓ
Tom Waits, John Lurie e Roberto Benigni interpretam três presos que tentam fugir de uma cadeia na Louisiana. Filmado em preto e branco, o longa de Jim Jarmusch foi produzido em 1986 e exibido na 11ª Mostra. Cinearte: dom. (23), 17h30. Frei Caneca: 3ª (25), 13h30; 2/11, 15h30.