WhatsApp: há esperança?

Sonia Racy

19 Maio 2017 | 00h35

Entre todas as conversas que essa coluna teve e textos que recebeu, vale destacar o único de olhar otimista. José Monforte, ex-Citi, ex-Natura e ex-conselheiro da Petrobrás:

“Começando a acordar para mais um dia de cumprimento de nossas obrigações, como fazemos desde sempre, e como fazem milhões de brasileiros, que formam a admirável maioria desta Nação.

O impacto das notícias tem claro potencial impacto no ânimo das pessoas, mas não acabará com a esperança de pessoas como nós, que querem, precisam e farão com que nosso País seja “passado a limpo”, DE UMA VEZ.

Assim fizeram outras nações hoje paradigmas de equilíbrio institucional, mas a custa de guerra, muita destruição. Por mais incrível que possa parecer, nossa “limpeza” segue as regras estabelecidas pela sociedade, nossa constituição, nossas leis, etc.


Poucos países fizeram assim, e com tal grau de transparência…Assim, está doendo, vai doer um pouco mais, mas com certeza sairemos mais maduros e, possivelmente, engrandecidos pela coragem de colocar o rei nu.

Vamos continuar acordando todos os dias para nossa parcela da construção de uma Nação que nossos filhos e netos terão orgulho em receber”.