1. Usuário
Direto da Fonte
Assine o Estadão
assine
Direto da Fonte

Direto da Fonte

Sonia Racy

Tijolo por tijolo

Por Sonia Racy

12/03/2016, 01h08

   

A Odebrecht costura acordo de leniência na CGU. E ele pode incluir colaboração diferenciada – não é delação premiada – de Marcelo Odebrecht, além de Marcio Faria e Rogério Araujo – todos presos há 9 meses em Curitiba.

A informação é de quem conversou esta semana com Emílio Odebrecht. Esse mesmo interlocutor registrou também o raciocínio do empresário sobre a situação do País: Emílio não acredita em outra saída para a atual crise que não a de mudança real do modelo político vigente.

Seria dentro deste contexto, de uma readequação mais ampla, que a colaboração estaria em curso. Os depoimentos não abordariam somente questões tópicas do processo de corrupção mas o modus operandi do sistema.

Tijolo 2

O presidente do conselho do Grupo Odebrecht entende que a Lava Jato teve um papel importantíssimo no seu início. Mas defende, segundo o mesmo interlocutor, que a persistência e continuidade do processo estaria destruindo tudo o que foi construído.

Reconhece que foram aplicadas ações corretivas – mas teria destacado que não há ainda, no horizonte, sinais de mudanças concretas.

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.