‘Think tank’ de Doria busca saída para buraco nas contas

‘Think tank’ de Doria busca saída para buraco nas contas

Sonia Racy

09 Agosto 2017 | 01h00

CAIO MEGALE E JOÃO DORIA

CAIO MEGALE E JOÃO DORIA

Murilo Portugal (Febraban), Renato Villela (ex-secretário da Fazenda de Alckmin), Ana Carla Abrão (ex-secretária da Fazenda de Goiás), Andrea Calabi (ex-ministro de FHC e ex-secretário de Alckmin), Roberto Giannetti (empresário e exportador), Cristina Pinotti ( ACP) mais Teresa Ter-Minassian (ex-FMI) quebram a cabeça para auxiliar o secretário Caio Megale a achar solução para o buraco das contas fiscais de São Paulo deste ano, estimado em R$ 7,5 bilhões.

Os especialistas fazem parte do conselho da Secretaria da Fazenda Municipal.

Receita superestimada
e custos subavaliados

Haddad insiste que deixou as contas em ordem, mas os técnicos de Doria comparam os números da receita superestimada com os custos subestimados e chegam no tal “buraco”. Como sair? Estão propondo soluções.

A primeira e mais urgente, segundo se apurou, é a nova licitação do transporte urbano. A última venceu há cinco anos e a cidade tem funcionado à base de contratações de emergência.

Só neste quesito o rombo chega a R$ 3,5 bilhões.

Grupo estuda filtro de
renda para passe livre

Doria já mexeu no passe livre para estudantes. “Famílias inteiras viajavam com o mesmo passe ”, conta a presidente do conselho da secretaria, Ana Carla Abraão. Hoje há limite de passagens.

Outra medida em estudo, nas reuniões, é limitar o uso do passe por um filtro de renda. “30% do transporte de ônibus hoje em São Paulo é de graça – quando, no mundo todo, a média fica entre 10% e 15%”, explica Ana Carla.

9 mi passageiros/dia
custam R$ 9 bi ao ano

São Paulo, segundo a economista, movimenta 9 milhões de passageiros por dia por meio de contratos urbanos que custam à Prefeitura… R$ 9 bilhões por ano.

Ana Carla defende a abertura da licitação dessa área – inclusive para concorrentes estrangeiros.