Rio debate medidas para conter ‘fuga’ de setores culturais para SP

Sonia Racy

04 Maio 2018 | 00h50

SERGIO SÁ LEITÃO

SERGIO SÁ LEITÃO. FOTO SILVANA GARZARO/ESTADAO

A intensa migração de médias e microempresas de cultura do Rio de Janeiro para São Paulo, devido à queda na qualidade dos serviços – desde uma simples banda larga para streaming de audiovisuais –, levou à criação, ontem, da Rede Rio Inventivo.

É um “movimento de resistência” que une desde o ministro Sérgio Sá Leitão, da Cultura, a produtores culturais de favelas e periferias.

No dia 16 esse grupo vai debater — no CRAB/Sebrae, na Praça Tiradentes –como melhorar o ambiente de negócios, a eficácia e a competitividade do setor.

Qual grupo? Ele inclui, entre outros,  Museu do Amanhã, MAR, Rio Criativo, Circo Crescer e Viver, IED, CRAB/Sebrae, Tiradentes Cultural e Babilônia Feira Hype.

Leia mais notas da coluna:

Mike Pence adia visita que faria no fim de maio ao Brasil

Defensor diz a ministra que pobres serão os mais afetados por prisão em 2ª instância