Repeteco?

Sonia Racy

24 Outubro 2012 | 01h10

A União Nacional das Entidades Islâmicas pediu à Justiça a prisão em flagrante de representante legal do Google no Brasil por desobediência.

A empresa não cumpriu determinação de tirar do YouTube o vídeo Inocência dos Muçulmanos – cujos protestos culminaram na morte de Christopher Stevens, embaixador americano na Líbia. O prazo expirou em 11 de outubro.

O advogado da entidade, Adib Abdouni, também requereu aumento da multa. Indagado pela coluna, o Google informou: recorreu da decisão por “estar comprometido com a liberdade de expressão”.

Repeteco 2

Lembrete: no fim de setembro, Fábio Coelho, diretor do Google, chegou a ser preso, porque vídeos no YouTube contra candidato a prefeito não foram removidos.