1. Usuário
Direto da Fonte
Assine o Estadão
assine
Direto da Fonte

Direto da Fonte

Sonia Racy

Para advogada, Moro trata ferramentas jurídicas da defesa como “questiúnculas”

Por Sonia Racy

21/01/2016, 14h50

   

A criminalista Dora Cavalcanti que defende Marcio Faria,da Odebrecht (preso na Lava Jato), responde a Sérgio Moro. O juiz argumentou, nos autos da ação contra Marcelo Odebrecht, que advogados da empreiteira buscam “retardar o julgamento com novos e intempestivos requerimentos”.

Cavalcanti contesta dizendo que seu requerimento é técnico: visa clarear a posição do MPF. “Primeiro disseram que conseguiram documentos na Suíça por meio de acordo de cooperação entre os dois países. Questionados pela segunda vez, afirmam que a força-tarefa jamais faz pedido de cooperação jurídica e que a colaboração foi espontânea”.

Questões processuais, segundo a criminalista, são as ferramentas de trabalho do advogado, mas estão sendo tratadas como “questiúnculas”.

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.