Planejamento deve anunciar contingenciamento ‘do bem’

Sonia Racy

18 Maio 2017 | 00h45

Ajuste de planos

O governo Temer capitulou. O Ministério do Planejamento deve anunciar um novo decreto de contingenciamento do “bem”. Depois dos gestos de agrado a parlamentares com intuito de conseguir aprovar a reforma da Previdência, agora é a vez de se dar um mimo aos ministros do Executivo.

Percebendo que talvez apertaram demais a torneira, a ideia é mudar –pouco, mas mudar os limites de gastos reduzindo o tamanho dos cortes do Orçamento determinados para 2017.

Consultada, a assessoria do Planejamento diz não saber de nada. So que na segunda-feira, dia 22, é o dia do relatório bimestral da pasta onde este tipo de tema é normalmente tratado.

A vida como ela é

Assim que a compra, pelo Itaú, de participação minoritária na XP Investimentos foi anunciada, o ataque especulativo começou. As aspirantes a serem uma nova XP – cuja tática era de “roubar” clientes de bancos – passaram a telefonar para agentes autônomos contratados pela corretora.

As propostas, para quem está com contrato vencendo, são tentadoras.

Buraco na pista

Em roda de empresários ao fim do evento do Lide ontem de manhã em NY, no Harvard Clube, veio a brincadeira: “É como numa corrida de Fórmula 1. O Alckmin está na pole position e seu carro é muito bom. Mas pode aparecer uma curva muito fechada ou ainda o pessoal do comando pedir pra ele… tirar o pé do acelerador”.

Muitas risadas.

Surreal

A mesa de operação Eldorado/JBS vem sondando o mercado de câmbio (de onde estava desaparecida) nas últimas duas semanas.

Por que será?

Polyanna

Luiz Furlan, presidente do Lide, saiu-se com essa ontem em NY. “Quatro é o número mágico para o País em 2018: teremos 4% de inflação, 4% de taxa de juros e 4% de crescimento.”

Haja otimismo.