Para analista, acordo de Trump com a Coreia do Norte não surpreenderia

Para analista, acordo de Trump com a Coreia do Norte não surpreenderia

Sonia Racy

22 Outubro 2017 | 01h14


IAN BREMMER, EM VÍDEO DO EURASIA GROUP

Em palestra no Instituto FHC, semana passada, Ian Bremmer, presidente e fundador do Eurasia Group, não vacilou: “Trump não dá importância aos direitos humanos, muito menos na Coreia do Norte. Por isso não me surpreenderia se ele fizesse um acordo com o líder que hoje chama de homem-foguete” .

Trump e o fator
Coreia do Norte 

Bremmer acredita, na mesma linha de raciocínio, que a Coreia do Norte nuclearizada é uma realidade irreversível. “Eles viram o que aconteceu com Kadafi e com Sadam Hussein depois que eles desistiram das armas nucleares. Os norte-coreanos não vão se suicidar.”

Perigo a longo prazo
é o populismo 

O palestrante foi além. Afirmou que o presidente americano é passageiro, mas o populismo nacionalista não é. “Nos próximos anos vão se erguer mais muros físicos e virtuais contra a migração e o livre-comércio e as sociedades se tornarão mais divididas entre ganhadores e perdedores da globalização”.

Leia mais notas na coluna:

FHC defende Alckmin para disputa presidencial