Os erros petistas

Sonia Racy

04 Outubro 2016 | 00h15

Dirigentes do PT avaliam que erraram ao polarizar com Marta e deixar Doria correr solto. Russomanno, Marta e Haddad não cogitaram a hipótese de a eleição terminar no domingo.

O tracking do PSDB que desde quinta-feira começou a dar Doria no primeiro turno – e antecipado no sábado pela coluna – foi motivo de piada entre os petistas.

Tiro pela culatra

Apostar todas as fichas na campanha de Eduardo Suplicy à Câmara acabou sendo um tiro que saiu pela culatra no PT. Suplicy ajudou a eleger dois vereadores do PR, partido da coligação petista que deverá ir para a base de Doria, e derrubou dois petistas históricos, Simão Pedro e Nabil Bonduki, ex-secretários de Haddad que não se reelegeram.


Black sunday

A fase é tão ruim para o PT que nem o presidente do diretório municipal de São Paulo, vereador Paulo Fiorilo, conseguiu ser reeleito: ficou na suplência. A esperança, agora, é que o PR ganhe uma secretaria de Doria e deixe vaga uma cadeira para ele. Ou que Suplicy dispute – e ganhe – uma cadeira de deputado federal em 2018.

Mais conteúdo sobre:

PTHaddadeleições