Sonia Racy

12 Fevereiro 2016 | 00h45

Para quem tem pressa de saber no que vai dar o pedido de impeachment de Dilma e Temer no TSE, vai aqui uma avaliação. Dois influentes nomes da corte, consultados pela coluna, acham que março será “um momento definidor, quando as cartas estarão dadas” mas o jogo vai durar todo o semestre.

Um deles acrescentou: “Seja a qual for a decisão, tem de ser rápida. O País precisa voltar ao normal”.

Dilma e Temer  2

Apresentação de provas, impugnações, oitiva de testemunhas e eventuais pedidos complementares da relatora, Maria Theresa Moura, devem tomar – calcula um deles – pelo menos três meses. Uma das hipóteses, pelo caminho, é que sejam juntados em um só os três pedidos do PSDB – sobre prestação de contas, investigação judicial eleitoral e a AIME, ação de impugnação do mandato eletivo — dos dois.

Últimas de Direto da Fonte