Sonia Racy

28 Julho 2015 | 01h10

A ida de Caetano Veloso e Gilberto Gil ao vilarejo de Susiya, na Cisjordânia, não foi suficiente para os ativistas palestinos.
.
Omar Barghouti, cofundador do movimento BDS – que prega o boicote a Israel e que fez campanha para que ambos não cantassem em, hoje, Tel Aviv – considera que os músicos “escolheram trair nossa luta por justiça, liberdade e igualdade”.
.
Não bastou 2
À coluna, Barghouti disse ainda acreditar que artistas têm “uma obrigação moral” de não ignorar violações de direitos humanos. “Nós não pedimos caridade a Caetano e Gil, mas uma forma mínima de solidariedade internacional”, completou.
.
Os músicos também se encontraram ontem com o grupo Women Wage Peace, formado por mulheres árabes e judias.