Ministro monitora pessoalmente plano de segurança do Rio

Sonia Racy

02 Agosto 2017 | 01h00

MINISTRO DA JUSTIÇA, TORQUATO JARDIM

MINISTRO DA JUSTIÇA, TORQUATO JARDIM. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Torquato Jardim está monitorando pessoalmente as operações do Plano Nacional de Segurança Pública, no Rio.

Ontem mesmo, no bate e volta a Brasília, levantou dados da operação realizada pela manhã para dar fim ao roubo de carga no chamado Chapadão. “Desde o início do plano, há três semanas, já conseguimos estrangular parte dos ilícitos que entram por Uruguaiana, Foz do Iguaçu e Cáceres”, contou o ministro da Justiça.

Em 23 dias, mais
de 1.500 prisões

Nestes 23 dias, foram apreendidos pela Policia Rodoviária Federal, em operações focadas nas rodovias, 163 veículos, 36 toneladas de maconha, 200 quilos de cocaína, 32 quilos de crack e 76 armas de fogo. “Fizemos também 1.572 prisões, parte para averiguações”, explica o ministro.

Ajuda ‘externa’ libera polícia
para ações de inteligência

Para o ministro, com as Forças Armadas garantindo a cidade e a Força Nacional o perímetro urbano, os policiais civis e militares, além dos rodoviários, conseguem ficar livres para se concentrar em operações desenhadas pela inteligência.

Torquato monta gabinete
no centro do Rio

Jardim pretende dar expediente uma ou duas vezes por semana no Rio. Para tanto, seu gabinete carioca será instalado na sede do Arquivo Nacional, bem no centro antigo.