Mãe e filha criam marca de collants de dança biodegradáveis

Mãe e filha criam marca de collants de dança biodegradáveis

Sonia Racy

08 Outubro 2017 | 00h30

VALQUIRIA E CAROLINE RIBEIRO

VALQUIRIA E CAROLINE RIBEIRO. IARA MORSELLI/ESTADÃO

Insatisfeita com os collants de dança disponíveis no mercado, a advogada Valquíria Ribeiro começou a desenhar roupas que sua filha, Caroline, pudesse usar na aula de ballet. “Toda vez que íamos comprar algo, achávamos que tinha que ter um detalhe a mais”, explica.

Agora, três anos depois, as duas aprontam o showroom da Valerine, marca de roupas de dança que traz opções em cores vibrantes – com brilhos e degradês – além dos tradicionais collants rosa, branco ou preto. A marca também contempla alunas adultas, que têm compromissos antes e depois da aula: os collants desabotoam embaixo e podem ser usados no dia a dia.

“Fazemos coisas para vestir com calça ou saia por cima, que a pessoa possa usar fora do espaço de dança”, afirma. Outro diferencial é o uso de tecido elástico biodegradável, desenvolvido pela Santaconstancia e usado por Valquíria em quase todas as peças.

“O dia que ele for descartado, ele demora de um a dois anos para se biodegradar”, afirmou. “Usamos pela pegada ecológica.”