Kátia Abreu foi responsável por demissão de ‘grande chefe’

Sonia Racy

21 Março 2017 | 00h45

Caça ministro

Foi a então ministra da Agricultura, Kátia Abreu, que demitiu Daniel Gonçalves Filho, da superintendência da pasta no Paraná pouco mais de seis meses depois que assumiu o cargo no governo Dilma. Gonçalves, peça chave da Operação Carne Fraca, sofreu acusações das mais diversas.

Caça 2

E hoje Kátia vai usar o plenário do Senado, pelo que se apurou, para… novos ataques ao PMDB. Vale lembrar que Daniel apareceu em gravação da operação sendo chamado de “grande chefe” por Osmar Serraglio.


Dúvidas cruéis

Quem tenta ler as 353 páginas do processo da Justiça Federal de Curitiba, que permitiu a deflagração da Operação Carne Fraca, fica meio confuso. Em algumas delas – pelo menos as páginas de 12 à 15 – há informações sobre o Peccin, sobre o fiscal Daniel, sobre funcionária da empresa, sobre notas frias, todas relatando fatos ocorridos a partir de 2015.

A dúvida: a PF sabia que o frigorífico estava vendendo “carne podre”, colocando a saúde das pessoas em risco, desde quando?

Força total

Não é só do Maracanã que o Lagardère pretende viver. Hoje, ele é o único interessado em assumir o repasse da concessão do estádio carioca e foi o segundo colocado na licitação vencida pela Odebrecht. Agora o gigante grupo francês olha o … Itaquerão.

Previdente

Há dez anos, David Rockfeller– o banqueiro morreu, ontem, aos 101 anos nos EUA – já criticava George W. Bush. “Estamos pedindo mais empréstimos do que considero saudável”, enfatizou em entrevista à coluna, na rápida passagem que o grande patrocinador do Consenso de Washington na América Latina fez pelo Brasil. O que ele diria de Donald Trump hoje?

Previdente 2

Conhecedor do País, o americano – chegou a dividir, nos anos 90, uma enorme fazenda em Mato Grosso com Walther Moreira Salles, do Unibanco, onde caçavam onças – lamentou, nesta conversa, a pouca atenção do seu país ao Brasil.