Justiça solta ex-presidente da BRF

Sonia Racy

09 Março 2018 | 18h37

Pedro de Andrade Faria, sócio da Tarpon, foi solto na tarde desta sexta-feira, 9. O empresário tinha sido preso na Operação Trapaça, deflagrada na segunda-feira, como desdobramento da Carne Fraca. Segundo seus advogados, ele e outros 10 funcionários e ex-funcionários da BRF — da qual ele havia sido presidente  — depuseram para esclarecer a acusação de fraude organizada em relatórios de qualidade emitidos pela empresa para laboratórios privados.

“Todos os depoimentos foram consistentes e reforçaram o argumento do Pedro de que, ao pedir por e-mail ao seu vice-presidente de Operações que adotasse ‘medidas drásticas porque isso ia contra o senso de propósito da BRF’, ele estava dando instruções para pôr um fim à fraude, não escondê-la, como as autoridades interpretaram”, diz a nota.

A seguir a íntegra do comunicado da Equipe Tarpon:

Prezados,

O Pedro acaba de ser solto conforme nós e os advogados esperávamos. Ao longo da semana, ele e outros 10 funcionários e ex-funcionários da BRF, que também estavam em prisão temporária, depuseram para esclarecer a acusação de fraude organizada em relatórios de qualidade emitidos pela BRF para laboratórios privados. Todos os depoimentos foram consistentes e reforçaram o argumento do Pedro de que, ao pedir por e-mail ao seu Vice-Presidente de Operações que adotasse “medidas drásticas porque isso ia contra o senso de propósito da BRF”, ele estava dando instruções para pôr um fim à fraude, não escondê-la, como as autoridades interpretaram.

Embora esta seja certamente uma boa notícia, e um passo importante para a resolução do que acreditamos ser um mal-entendido, a investigação e o processo legal devem levar tempo para serem concluídos e o manteremos atualizados ao longo do processo.

Finalmente, agradecemos a todos pelas mensagens de apoio e desejamos ao Pedro um retorno seguro para sua família.

Obrigado,

Equipe Tarpon

Leia mais notas da coluna:

Doria não se inscreve em ‘encontro com pré-candidatos’ tucanos

Brasil não tem como retaliar EUA, diz Ricupero