1. Usuário
Direto da Fonte
Assine o Estadão
assine
Direto da Fonte

Direto da Fonte

Sonia Racy

Juízes vão ao ataque contra corte de verbas na Justiça do Trabalho

Por Sonia Racy

26/01/2016, 15h16

   

Em longo manifesto de 15 pontos, divulgado na manhã desta terça, 26, a Associação Juízes para a Democracia criticou os cortes orçamentários que atingiram a Justiça do Trabalho na proposta para 2016 — cerca de 8% do total — e chamou de “uma verdadeira arbitrariedade”, as medidas propostas na Câmara pelo relator, deputado Ricardo Barros (PP), para justificar as medidas. A redução proposta está em torno de R$ 800 milhões, em um orçamento de R$ 17,1 bilhões.

Segundo a AJD, o relator promove “um aparente conflito na sociedade” ao comparar os gastos dos tribunais trabalhistas com os do programa Bolsa Família. O texto é definido como “um entrave ao direito constitucional”. No manifesto a AJD pede “a pronta recomposição do orçamento anual da Justiça do Trabalho para 2016″.

Nos últimos tempos, a redução das verbas dos 24 tribunais trabalhistas, onde atuam cerca de 50 mil servidores, já obrigaram o setor a providências como reduzir horas de trabalho, demitir estagiários ou regular o uso de ar condicionado.

A Anamatra, que reúne os magistrados do  setor, já informou que estuda entrar com alguma medida para impedir que os cortes propostos sejam levados adiante.

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.