Itamaraty remove do posto embaixador acusado de assédio

Sonia Racy

16 Março 2018 | 14h25

Portaria assinada pelo chanceler Aloysio Nunes removeu da chefia da missão brasileira na FAO, em Roma, o embaixador João Carlos de Souza-Gomes, acusado de assédio sexual e moral contra servidores. Souza-Gomes tinha sido afastado em novembro para responder a processo administrativo disciplinar e teve o afastamento prorrogado no início do mês.

A portaria foi assinada na terça-feira, 13, e saiu no Diário Oficial da União desta sexta-feira, 16. Não foi anunciado ainda a futura função do diplomata.

Nos dias 8 e 9 deste mês, representações diplomáticas do Brasil em diferentes cidades do mundo aderiram à campanha #JuntosContraOAssedio, organizada pelo Sinditamaraty em reação ao caso de Souza-Gomes.

Participaram do protesto servidores de quatro missões em Roma – a Embaixada brasileira na Itália, o  consulado, Embaixada junto ao Vaticano e a missão na FAO.  Aderiram também à campanha servidores do consulado e da missão junto a órgãos em Londres (Rebraslon), da Unesco em Paris (Brasunesco), do consulado e escritório financeiro de Nova York, dos consulados de Atlanta e Chicago, e das embaixadas de Berlim, Bratislava, Nova Delhi, Teerã, Jacarta e Luanda.