O Porto de Açu e a amizade entre Eike e Cabral

Sonia Racy

14 Abril 2017 | 00h50

Tem muita gente quebrando a cabeça para saber por que raios Eike Batista teria dado US$ 16,5 milhões a Sergio Cabral. Existe a versão de que o ex-governador, preocupado com o futuro dos filhos, solicitou a “doação” e Eike transferiu, graciosamente, os dólares para um fundo de Cabral em Nova York.

Há uma segunda versão para explicar a boa vontade do empresário: a sua felicidade quando conseguiu, para sua então LLX, em setembro de 2013, uma licença de instalação, emitida pelo Instituto Estadual do Ambiente, do Rio, para construir o segundo terminal de Porto Açu.

…um canal
Surgiu então o T2, terminal onshore. O Inea autorizou sua instalação em torno de um canal de nave de 6,5 km de extensão, 300 metros de largura e profundidade de até 14,5 metros. A ideia inicial do Inea era liberar 30 metros de extensão. Estudos ambientais e projetos aprovados, porém, acabaram convencendo o instituto a ser mais ambicioso.

É o que parece

Integrantes da iniciativa privada, que conhecem Marcelo Odebrecht se espantaram com os vídeos da sua delação. O ex-presidente do grupo se manteve fisicamente igual nesses 21 meses de prisão e está com o raciocínio intacto.

“E não é que ele contou a verdade?”, constata uma pessoa próxima dele. O problema é que a verdade é ilícita – e o acionista da Odebrecht parece não ter-se dado conta disso até agora.

No Líbano

Dois grafiteiros brasileiros, os Cosmic Boys Rimon Guimarães e Zéh Palito, viajaram ao Líbano. Instalados em campos de refugiados na província de Beqaa, estão “pintando paredes”” e fazendo oficina de arte com participação de crianças.

Em parceria com artista sírio e uma documentarista francesa, os dois trabalham no Conexus, um coletivo de arte contemporânea nômade. Que tem curadoria da gaúcha Sheila Zago.

Jubileu

Os 50 anos da Paixão de Cristo em Nova Jerusalém ficarão por conta de globais. Rômulo Arantes será Jesus Cristo e Letícia Birkheuer, Maria. Madalena será interpretada por Adriana Briolli.