Enxugamento do TSE vira queda de braço com Estados

Sonia Racy

30 Agosto 2017 | 01h00

Decidido a enxugar a estrutura, para economizar R$ 74 milhões em seu orçamento anual, o TSE anunciou o corte de cerca de 500 zonas eleitorais, das 3.033 do País… e acabou comprando uma queda de braço com alguns tribunais estaduais. O do Rio Grande do Sul insiste em manter todas as suas 173, mas o TSE insiste em eliminar 56. E avisou: enquanto isso não for feito, não repassará os valores para o pagamento dos juízes dessas zonas. O tribunal de Tocantins também quer preservar 11 delas, que o TSE quer fechar.

São Paulo já definiu o corte de 32 das 425 zonas e o Rio foi mais longe, eliminando metade: 48 das 97.

Associação
vai ao CNJ

Em outra frente dessa batalha, os juízes da Anamages recorreram da última decisão do CNJ. O conselho arquivou, em junho, ação contra o novo zoneamento – e a associação tem esperança de manter os postos do modo como estão.