Embaixadores criticam governo de Israel pela forma como indicou embaixador

Sonia Racy

07 Janeiro 2016 | 15h45

Um manifesto de 40 embaixadores brasileiros, tornado público no final desta manhã (7), critica a indicação, pelo governo de Israel, do novo embaixador daquele país em Brasília, Dani Dayan. Assinado por integrantes e ex-integrantes de altos postos do governo, como Jório Dauster, Samuel Pinheiro Guimarães, Luiz Felipe Lampreia, Roberto Abdenur, José Viegas e Marcílio Marques Moreira, o texto considera “inaceitável” que o novo nome tenha sido anunciado publicamente pelo governo de Benjamin Netanyahu antes de ser submetido ao governo brasileiro. 

 

“Essa quebra da praxe diplomática parece proposital, numa tentativa de criar fato consumado, uma vez que o indicado, Dani Dayan, ocupou entre 2007 e 2013 a presidência do Conselho Yesha, responsável pelos assentamentos na Cisjordânia considerados ilegais pela comunidade internacional”, diz o abaixo-assinado. Lembra, em seguida, que Dayan “já se declarou contrário à criação do Estado Palestino, que conta com o apoio do governo brasileiro e que já foi reconhecido por mais de 70% dos países-membros das Nações Unidas”.

“Nessas condições, apoiamos a postura do governo brasileiro na matéria”, concluem os embaixadores.