Edson Fachin, do STF, não vai relatar todas delações da Odebrecht

Sonia Racy

22 Fevereiro 2017 | 00h45

Dividir para…

Aos que temem pelo trabalho insano de Edson Fachin vai a informação: o ministro não ficará com todos os processos de delação premiada da Odebrecht. Depois que a PGR analisar o conteúdo das 77 delações do grupo e mandá-las de volta ao STF, caberão ao substituto de Teori Zavascki nessa missão somente as referentes à Lava Jato. Separadas por temas, as delações que não se referem à Petrobrás serão distribuídas – segundo fonte do STF – a outros ministros da corte.

…julgar

Mas o que a PGR de Rodrigo Janot está fazendo nas últimas semanas? Analisando a papelada para apresentar denúncia imediata ou abrir inquéritos para investigar melhor os fatos e nomes citados. E, terceiro, encaminhar a outras instâncias judiciais casos que envolvem pessoas sem foro privilegiado. Como não quer ser cobrado por atrasar o processo, o procurador-geral deve entregar tudo antes do carnaval.

Suando camisa

Quem viu não acreditou. Ontem, Sergio Rial e seu “dream team” fizeram as vezes de gerentes por um dia na Feira do Empreendedor, do Sebrae. Durante horas, o presidente do Santander (na foto, à direita), com Marcos Madureira (ao centro) e Danilo Dalmazo atenderam, um a um, potenciais clientes que buscam assessoria e crédito para montar negócio próprio. Segundo pesquisas do Sebrae, existem hoje, no Brasil, cerca de 50 milhões de empreendedores.

High lights

Entre os investidores, a estrela hoje do seminário do BTG é Mark Mobius. Do lado dos palestrantes, o destaque é Henrique Meirelles.

Bola em jogo

Projeto que moderniza as leis do futebol, a ser votado em março, cria nova figura jurídica: a sociedade anônima nos clubes. Que lhes permitirá abrir capital nas bolsas e se fortalecerem como empresas. Vão enfim conhecer um juiz chamado… mercado.