Cara a cara

Sonia Racy

27 Maio 2015 | 01h12

Circula nas empreiteiras vídeo mostrando procuradores da força-tarefa da Lava Jato pouco entusiasmados em promover uma acareação entre Alberto Youssef e Paulo Roberto Costa. No depoimento, gravado em fevereiro, o doleiro afirma ao MPF estar disposto a participar de acareação com o ex-diretor da Petrobrás para esclarecer as “discrepâncias” entre as delações. “Se os doutores acharam (sic) necessário da gente ter uma conversa juntos, eu, ele e os doutores… Eu estou à disposição”, diz Yousseff.

Um dos procuradores, não identificado no vídeo, responde: “Esse é o tipo de coisa que quanto mais mexeu pior fica (sic). Se volta, muda… a questão toda.” O procurador Andrey Borges, que atua agora apenas como colaborador da equipe de investigação do MPF, completa: “É igual bosta seca: mexeu, fede (sic)”.

Veja, abaixo, a transcrição do depoimento.

Alberto Youssef: “Não quer ver aquelas discrepâncias com aqueles depoimentos do Paulo Roberto?”


Procurador Bruno Calabrich: “A gente já foi perguntando mais ou menos né… Tem algumas discrepâncias assim que foram… Por exemplo, o que dá uma diferença bastante grande é do Palocci, do Lobão. Ele fala que o senhor que foi responsável… Ele fala assim: “Recebi essa notícia… e passei…”. E passou para o senhor, para o senhor fazer. Aí essas coisas a gente perguntou, reperguntou. Aí chega um ponto que também não dá para a gente também. Se não a gente vai ate pressionando o senhor…”

Youssef: “Na verdade eu quero deixar claro que eu estou aqui para colaborar, não estou aqui para omitir ou encobrir ninguém.”

Calabrich: “Nem pra agradar.”

Youssef: “Nem para agradar vocês. O que aconteceu, aconteceu. Agora o que não aconteceu… Eu acho que o Paulo se equivocou e se os doutores acharam necessário da gente ter uma conversa juntos, eu, ele e os doutores… Eu estou à disposição.”

Procurador não identificado: “Esse é o tipo de coisa que quanto mais mexeu pior fica. Se volta, muda a questão toda.”

Procurador Andrey Borges: “Com respeito à doutora Erica, é igual bosta seca: mexeu, fede.”

Procurador não identificado: “Do jeito que está, já está ruim. Porque você tem dois colaboradores, um dizendo uma coisa e outro dizendo outra.”

Youssef: “Para mim eu estou aqui dizendo a verdade.”

Borges: “Imagina agora que são 13.” (risos)

Calabrich: “Eu comecei a pensar: vai ter instrução entre os colaboradores! Acareação vai voltar a ter importância.”