BNDES queria tirar Wesley Batista da presidência da JBS

BNDES queria tirar Wesley Batista da presidência da JBS

Sonia Racy

14 Setembro 2017 | 01h00

WESLEY BATISTA

WESLEY BATISTA. FOTO: WERTHER SANTANA/ESTADÃO

 

Tirar Wesley Batista, de forma organizada, da presidência da JBS, era intenção do BNDES. Com a prisão do empresário ontem, a vontade do banco deve ser concretizada. Mas de forma abrupta e desorganizada.

Aliás, existe também a possibilidade de Wesley ser solto e voltar, dando continuidade à disputa com o BNDES pelo mando da empresa.


JBS e BNDES já
foram alvo de CPI

Vale lembrar que as relações entre JBS e BNDES – que viraram alvo de nova CPMI –, já haviam sido investigadas por Alexandre Baldy, sub-relator da extinta CPI do BNDES.

Deputados trataram
de doações a partidos

Na oitiva de Luciano Coutinho na extinta CPI, deputados perguntaram sobre algo que hoje é objeto de investigação da Lava Jato: a coincidência da liberação de recursos com o aumento de doações da JBS para partidos.

Baldy pediu
indiciamentos

Baldy chegou a pedir o indiciamento de Lula, de Coutinho e de Taiguara Rodrigues, parente do ex-presidente.

Mas como no relatório final, de autoria de José Rocha, não houve qualquer pedido de indiciamento, Baldy levou sua análise pessoal à PF e à PGR no início do ano passado.