Balanço do TCU aponta falhas em 95% de obras vistoriadas na saúde

Sonia Racy

12 Janeiro 2016 | 18h30

Em balanço que acaba de divulgar nesta terça-feira (12), sobre investigações que fez na área da saúde, em 2015, o TCU diz ter  realizado auditorias em 43 municípios de dez Estados, detectando “fiscalização deficiente da execução do programa, atrasos injustificados nas obras e serviços” em 95% das obras vistoriadas.

Segundo o tribunal, “foram realizadas dez auditorias em obras distribuídas em 10 Estados e 43 municípios, nos quais foram avaliadas a construção de 119 UBS e 35 UPAs, no valor de, aproximadamente, R$ 137 milhões”.

No programa Mais Médicos, o tribunal identificou “fragilidades na supervisão dos médicos integrantes
do programa”. Uma das principais foi que dos 13.790 médicos participantes, 31% – ou seja, 4.375 profissionais – não possuíam supervisores indicados no sistema do Ministério da Saúde.

Em entrevistas com 114 médicos, 35% disseram que “em algum momento houve dificuldade de comunicação”
devido a barreiras linguísticas”.