1. Usuário
Direto da Fonte
Assine o Estadão
assine
Direto da Fonte

Direto da Fonte

Sonia Racy

Acabou a lua de mel de ambientalistas com Dilma

Por Sonia Racy

22/01/2016, 16h38

   

Durou pouco o bom-humor de ambientalistas que saíram de Paris esperançosos ao ouvir o discurso da presidente Dilma na cúpula do clima, em dezembro. A decepção veio na semana passada, quando ela sancionou o Plano Plurianual – em que vetou os planos sobre energias renováveis e alternativas  mas sem tocar nos trechos sobre hidrelétricas ou termelétricas.

Em textos na rede, o ex-deputado Alfredo Sirkis classifica o veto de ‘surrealista, meio incompreensível” e Marcio Santilli, do Instituto Socio-Ambiental, diz que “são vetos do passado contra o futuro”, porque “protegem o modelo corrupto de geração centralizada”.

E a volta do Congresso à ativa, no início de fevereiro, traz novas preocupações. Já nos primeiros dias deve entrar em pauta o chamado “licenciamento fast-track”, que encurta os prazos para concessão de licenças ambientais. E depois vem a PEC 215, que transfere do Planalto para o Congresso a palavra final sobre demarcação das terras indígenas.

É grande o risco de que as ONGs do setor serem derrotadas nas duas causas.

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.