Vereadores não quiseram tratar da Previdência com a Prefeitura ’em transição’

Sonia Racy

29 Março 2018 | 00h50

Dois motivos pesaram para os vereadores jogarem para o segundo semestre, anteontem, a rediscussão da Previdência municipal. Primeiro, evitar que o caso entre em pauta com o poder na Prefeitura “em transição”. Segundo, o temor de que se repetisse a pancadaria de protesto semelhante, no último dia 14.

A ponderação é de pessoas próximas a Bruno Covas – que ainda está de licença e só retoma as funções amanhã.

Bruno Covas terá
maioria na Câmara

Empossado, dizem as fontes, Covas vai de imediato fortalecer a maioria de 44 vereadores na Câmara, que pode lhe garantir a aprovação do texto. E se não conseguir? A alternativa será, em 2019, destinar os 100% do IPTU ao custeio da Previdência.

Leia mais notas da coluna: 

Iniciativa privada se tranquiliza com queda da denúncia Jorge Gerdau

Presença de Moro aumenta em 660% a audiência do Roda Viva