Má divisão dos gastos da Previdência é desafio da reforma

Sonia Racy

06 Agosto 2017 | 01h20

O Ministério da Fazenda está consciente de que a reforma da Previdência que tramita no Congresso – acredita-se que ela vai ser aprovada em setembro, segundo Michel Temer ou em outubro nos prognósticos de Henrique Meirelles – não resolve o problema gigante e crucial: que 45% do gastos do Orçamento federal pagam a Previdência de apenas… 8% da população.

Mas essa é, pelo que se apurou, a reforma possível de se aprovar. De nada vale se argumentar, no Congresso, que o texto atual torna inevitável nova mudança daqui a sete anos.

Má divisão…

O primeiro projeto sobre o assunto enviado ao Congresso por Temer permitiria esquecer essa pedra no sapato por, no mínimo, 18 anos.