Em busca de diversidade na leitura

Em busca de diversidade na leitura

O site We Need Diverse Books ajuda a encontrar livros de minorias pouco representadas nas estantes

Danilo Venticinque

27 Abril 2017 | 08h50

Numa época em que a homofobia, a xenofobia e o racismo ameaçam ganhar espaço ao redor do mundo, a importância social e política dos livros se torna ainda maior. Não há dúvida de que a educação e a leitura são poderosas armas contra o preconceito. Quanto mais ampla e variada for a formação cultural de um indivíduo, maior será o seu respeito às diferenças. Um país de leitores tem tudo para ser um país tolerante.

Lamentavelmente, o mercado editorial ainda não é tão variado quanto deveria. As coisas têm mudado, mas ainda há muito a melhorar: quem frequenta somente as prateleiras de lançamentos das grandes livrarias corre o risco de terminar com uma estante enviesada, formada por obras de autores majoritariamente homens, quase todos brancos, heterossexuais, e nascidos nos mesmos três ou quatro países. A mesma falta de diversidade é refletida nas histórias em si, que trazem pouquíssimos personagens representantes de minorias.

O site We Need Diverse Books busca chamar atenção para as exceções a essa regra. Criado em 2014, o projeto tem o objetivo de chamar a atenção para livros que valorizam a diversidade, sobretudo na literatura infantil e juvenil. Na página (em inglês), há concursos de contos para autores multiculturais, pesquisas sobre o assunto e recursos para professores que querem trabalhar o tema da diversidade em sala de aula.

O projeto também reúne uma longa lista de sites dedicados a temas específicos. Um exemplo é o Disability Kidlit, que traz recomendações de livros infantis com personagens portadores de deficiência. Outros, como o The Brown Bookshelf, concentram obras de autores negros e que abordam um universo multirracial. Há também páginas dedicadas a histórias infantis com personagens muçulmanos, enfatizando a tolerância religiosa.

Segundo os fundadores do We Need Diverse Books, crianças e jovens valorizam mais a leitura quando conseguem se identificar com os personagens. Quanto maior a diversidade na literatura, maior será a diversidade entre os leitores. A ideia reflete a missão do site: criar “um mundo em que todas as crianças possam se ver nas páginas de um livro.”

Identificar-se com os personagens ou o autor de um livro também pode ser bom para a autoestima dos leitores em períodos importantes de sua vida. Um adolescente gay que se sinta excluído na escola, por exemplo, pode encontrar conforto em livros que abordem a homossexualidade de maneira natural e mostrem personagens passando por um momento semelhante. Um jovem negro que quer ser escritor se sentirá encorajado a dedicar-se a seu sonho se as prateleiras de livrarias e as listas de leituras de escolas trouxerem mais obras de autores negros.

A diversidade nos livros infantis e juvenis cria um círculo virtuoso: jovens que se veem representados na literatura se sentirão encorajados a contar suas próprias histórias e, com elas, alcançar uma nova geração de leitores.

Todos, independentemente de sua cor, fé, gênero ou sexualidade, têm a ganhar com a valorização da diversidade nos livros infantis. Sua leitura ajuda a preparar crianças e adolescentes para conviver num mundo multicultural. Estaríamos numa situação muito melhor se todos aprendessem, desde a infância, a respeitar e aceitar as diferenças. 

*

Em tempo: as páginas e recomendações de leitura do We Need Diverse Books só estão disponíveis em inglês, ao menos por enquanto. Se alguém se animar a criar um projeto do tipo no Brasil, terá o apoio deste blog—e, com certeza, de milhares de jovens leitores.

***

Danilo Venticinque escreve às quintas-feiras.

Facebook: danilo.venticinque Twitter: @daniloxxv

Mais conteúdo sobre:

diversidadeliteratura
0 Comentários