Empanadas e pratos chilenos agora só por encomenda

Estadão

19 Outubro 2012 | 06h20

A Peña Don Fernando funcionou por 30 anos na Aldeia de Carapicuíba, centro histórico na região metropolitana de São Paulo. Reduto de manifestações artísticas de imigrantes da América Latina, o restaurante fechou em 2010, mas o proprietário, Fernando Astorga, continua fazendo delícias da culinária chilena sob encomenda.

Por semana, ele produz 250 empanadas, todas com a mesma receita. A massa, que não leva fermento, envolve um recheio de carne temperada com cominho, ovo, azeitona e muita cebola. “Não fico inventando sabores, faço a empanada original”, diz Fernando. Cada uma custa R$ 4,50.

Outros pratos que chamam a atenção em sua cozinha são as carnes feitas no barro. O “pescado a la teja” é preparado com salmão. O peixe, já temperado, é embrulhado em papel alumínio. Uma camada de argila é espalhada ao redor do pacote. Fernando leva o pacote até  um forno de barro construído por ele próprio. Enquanto o barro toma a forma sólida, o peixe assa. Ao final do processo, o bloco formado ao redor da carne é quebrado e, lá de dentro, é retirado o salmão pronto. A mesma técnica é usada para preparar frango. Uma ave inteira é recheada com linguiça calabresa, cenoura, pimentão e cebola para depois ser enrolada com papel alumínio e barro. “Fica uma delícia. De verdade!”, afirma o proprietário.

Fernando nasceu na cidadela de Talcahuano, no sul do Chile. Em 1965, chegou ao Brasil e se instalou na região de Carapicuíba. Tinha como tarefa principal o ofício de jardineiro, mas seus amigos provaram as empanadas que preparava e passaram a exigi-las em rodas de violão. Em pouco tempo, estava inaugurada a “Peña”. O nome costuma ser usado no Chile para espaços de convivência com comida, bebida e apresentações de música popular.  “Quando comecei, os paulistanos curtiam muito o folclore sul-americano”, conta. “Agora, esse comportamento mudou: as pessoas não saem mais à noite, não procuram mais outras culturas.” A construção de um parque ao redor do local também dificultou o acesso ao restaurante, diminuindo o público da Peña Don Fernando.

Só existe um problema no novo negócio: Fernando ainda não criou um sistema de delivery. Para provar suas receitas, o cliente precisa ir até a Aldeia de Carapicuíba. “Não tenho condições de fazer entregas”, conta. “Mas continuo recebendo a visita dos clientes que vinham à Peña. Tem muita gente que vem aqui nos finais de semana”.

Serviço:
R. Grajaú, 32, Aldeia de Carapicuíba, Carapicuíba, 4146-9285

(Com colaboração de Míriam Castro e foto de Epitacio Pessoa/AE)