Sentimentos mundanos

Estadão

15 Abril 2011 | 18h38

amor_600.jpg

Depois de Lixo Extraordinário, João Jardim dá adeus ao retrato edificante do homem para investigar sua miséria em Amor?, documentário que enfoca a violência doméstica por meio de relatos reais, de pessoas que tiveram sua identidade protegida pela dramatização.

Ainda que o recurso, e também a edição, lembrem bastante Jogo de Cena, de Eduardo Coutinho, em Amor?, Jardim alterna os depoimentos com cenas de grande carga poética, muitas delas envolvendo água. (Uma metáfora recorrente: o banho que leva embora os ferimentos, a vergonha, a culpa?)

Responsável pelo primeiro depoimento, Lilia Cabral, memorável, revela a complexidade e, aos poucos, a contradição dos argumentos desta primeira personagem que ‘precisou apanhar’ para se tornar ‘uma mulher de verdade’ – e cujo conflito físico, argumenta, foi ponto de partida para a salvação do casamento. Em comum, os relatos (encenados ainda por Julia Lemmertz, Ângelo Antônio, Du Moscovis e outros) trazem a incômoda sensação de que, não dificilmente, nos envolveríamos em situações semelhantes, todas elas incompatíveis com os reducionistas ou mesmo equivocados conceitos de ‘vítima’ e ‘algoz’. Carolina Arantes