Roteiro para quem não é fã

Estadão

18 Fevereiro 2011 | 19h31

besouro_verde_600.jpg

Foi pelo rádio, em 1936, que Besouro Verde alcançou o sucesso nos EUA. Mas foi na televisão – 30 anos depois e com Bruce Lee entre os protagonistas – que o personagem tornou-se mundialmente conhecido. A série televisiva foi a referência do diretor Michel Gondry (Rebobine, Por Favor), que teve êxito em criar um bom filme de entretenimento, mas falhou ao deixar seu Besouro Verde, vivido por Seth Rogen, excessivamente bobo – algo que deve desagradar aos fãs da série. Mas a falha também deve ser colocada na conta do próprio Rogen, que assina, junto com Evan Goldberg, um roteiro com poucas piadas inspiradas e que abusa do humor estridente, lembrando as comédias de ação estreladas por Jackie Chan. A história é simples: Britt Reid, um playboy egocêntrico e patético, recebe o jornal ‘Sentinela Diária’ como herança. E acaba se aproximando do mordomo de seu pai, Kato, que possui uma impressionante habilidade para as artes marciais – e para construir parafernálias de combate, como carros inteligentes e armamentos. Os dois novos amigos, por diversão, se transformam em super-heróis. Emtempo: não gaste dinheiro com salas 3D. Orecurso foi subaproveitado e não faz falta alguma. Douglas Vieira