Clímax para quem é forte

Estadão

18 Fevereiro 2011 | 19h26

127_horas_600.jpg

Tramas baseadas em elencos de praticamente um único ator são arriscadas. Robert Zemeckis fez um bom trabalho em Náufrago (2000), no qual o personagem de Tom Hanks fica sozinho em uma ilha. Agora, Danny Boyle (de Quem Quer Ser um Milionário?) assume o desafio em 127 Horas, que estreia hoje (18). Ofilme conta a história verídica de Aron Ralston, que, em 2003, ficou preso em um cânion do Colorado por mais de cinco dias. Enquanto explorava o lugar, uma rocha se desprendeu e caiu sobre o seu braço, pressionando-o contra a parede de uma passagem subterrânea e estreita. Olonga se baseia no livro em que Ralston descreve a experiência. Mas Boyle e sua equipe também tiveram a chance de ver o vídeo que ele gravou enquanto estava preso. A câmera teve um papel importante para que ele mantivesse a lucidez – assim como Wilson, a bola que fazia companhia a Hanks na ilha deserta. Oroteiro transmite com eficiência um sentimento claustrofobia, reforçado pela proximidade da câmera. Você pode sentir vontade de fechar os olhos no clímax da história (que não vamos contar aqui). Mas, se puder mantê-los abertos, melhor.Não vale a pena perder a atuação de James Franco. Luiza Wolf