Liga prepara o CD de sambas-enredo 2013

Estadão

15 Outubro 2012 | 17h31

A Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo prepara a gravação do CD dos sambas-enredo para o carnaval 2013. O local das gravações da voz guia, bateria e coral é o Auditório Elis Regina no Parque Anhembi, cedido pela SPTuris.

Procedimento caro
A vice-presidente de carnaval da Liga, Solange Cruz, também presidente da Escola de Samba Mocidade Alegre, campeã 2012, falou ao Blog do Candinho ser a gravação do CD um procedimento financeiramente caro, porém bastante gratificante quanto ao fato da participação ativa da comunidade do samba paulistano nas gravações dos sambas.

Para a dirigente, a Liga consegue arcar com as várias despesas advindas na produção no Auditório Elis Regina que, pelo espaço confortável que oferece e a acústica favorável, facilita na gravação dos sambas-enredo

O custo operacional da Liga, segundo Solange, se resume em equipamento de estúdio, segurança com bombeiros, brigadistas e alimentação para abrigar os componentes das escolas que participam das gravações do CD.
As gravações estão acontecendo simultaneamente com as 22 escolas de samba da Liga, 14 do grupo especial e 8 do grupo de acesso.

Escolas que já gravaram o samba
Mancha Verde – Santa Bárbara – Imperador do Ipiranga – Unidos do Peruche – Leandro de Itaquera – Acadêmicos do Tatuapé – Dragões da Real – Estrela do Terceiro Milênio – Perola Negra – Camisa Verde e Branco – Tom Maior – Nenê de Vila Matilde – Mocidade Alegre Império de Casa Verde

Escolas que ainda não gravaram o samba
Morro da Casa Verde – Gaviões da Fiel – Acadêmicos do Tucuruvi – Águia de Ouro – X-9 Paulistana – Vai-Vai – Rosas de Ouro – Unidos de Vila Maria

Ritmistas, voz guia e coral
Participam de cada gravação: 40 ritmistas, a voz guia, um coral formado entre 60 e 100 vozes por escola de samba. Fazem parte destas gravações ainda o mestre de bateria, o arranjador que dará um formato a cada samba-enredo, cujo sentido final é o de dar autenticidade a cada uma das entidades carnavalescas participantes do CD 2013 do carnaval paulistano. Segundo a vice-presidente de carnaval da Liga, a produção ainda passa por uma limpeza de som e a consequente mixagem em estúdio especializado na prensagem dos CDs que será na casa dos 30 mil exemplares.

Com a cara e o sentimento da escola
Para Solange, o importante é que, com a gravação do CD dos sambas paulistanos, que pela terceira vez consecutiva é realizada pela Liga, as escolas de samba passaram a se organizar melhor, até porque o que se busca é que cada gravação fique com a cara e o sentimento de cada agremiação carnavalesca paulistana.

Outro aspecto favorável a este tipo de postura, adotado pela Liga e apontado por Solange Cruz, é a importância de ter músicos de qualidade no estúdio de gravação. Mas não se pode deixar de lado o fato de dar oportunidade na gravação aos verdadeiros sambistas de cada comunidade, participando do coral, e como ritmistas, que defendem suas agremiações o ano inteiro e, portanto, merecem ser valorizados.

O samba da Mocidade Alegre
Com relação ao samba 2013 da Mocidade Alegre, Solange Cruz disse gostar da letra e da melodia o que determina uma música bastante contagiante e capaz de ser um novo sucesso da escola de samba campeã do carnaval paulistano 2012.

Ainda segundo Solange Cruz, o samba-enredo é o quesito de maior responsabilidade quanto aos preparativos de uma escola de samba para o desfile de carnaval, uma vez que sua musicalidade determina o entrosamento geral dos componentes de uma agremiação carnavalesca no reinado de momo.

Com frase de efeito, Solange comentou por fim: “Depende de você fazer acontecer. A Mocidade tem uma grande comunidade bastante presente na escola, um grande mestre de bateria (Mestre Sombra) que faz o diferencial”. Para a presidente, sua escola tem uma ótima direção de harmonia, e tudo isto englobado faz o diferencial no desfile da agremiação no Sambódromo do Anhembi.

Lançamento do CD
Ainda sem data e local definidos quanto ao lançamento do CD dos sambas-enredo para o carnaval 2013, a Liga pretende que os sambas sejam apresentados em grande festa após o dia 2 de dezembro, consagrando como o Dia Nacional do Samba, que por cair num domingo será dedicado exclusivamente às homenagens ao ritmo verde e amarelo nas quadras das escolas de samba paulistanas.