U2 e Guns N’ Roses encabeçam ranking de artistas que mais faturaram com shows em 2017; veja lista
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

U2 e Guns N’ Roses encabeçam ranking de artistas que mais faturaram com shows em 2017; veja lista

Brasil se consolidou como um dos principais mercados fora de EUA e Europa; Allianz Parque e Morumbi estão entre arenas que mais venderam ingressos no mundo

Alexandre Ferraz Bazzan

06 Janeiro 2018 | 05h11

Primeiro show do U2 da turnê Joshua Tree no Morumbi. Foto: Tiago Queiroz/Estadão

A Pollstar divulgou nesta sexta-feira o relatório completo sobre a indústria dos espetáculos ao vivo. O mercado quebrou recordes de arrecadação em 2017 e apenas U2, Guns N’ Roses, Coldplay, Bruno Mars e Metallica somados faturaram mais de US$ 1 bilhão.

Enquanto Adele se aposentou dos palcos e Beyoncé se afastou por causa da gravidez, o Coldplay, em terceiro lugar, manteve a mesma posição de 2016. Axl, Slash e Duff subiram da quarta para a segunda colocação em relação ao ano retrasado e o grupo de Bono, após anos de hiato, volta a dominar com a turnê em homenagem os 30 anos do disco The Joshua Tree.

++SIGA O BOOTLEG NO FACEBOOK

++OS 50 MELHORES DISCOS DE 2017

++’VAI MALANDRA’, DA ANITTA, É A 4ª MÚSICA MAIS OUVIDA PELO YOUTUBE

Se o U2 teve a maior arrecadação, com US$ 316 milhões, Bruno Mars foi o artista com o maior número de shows no ano. Foram 121 apresentações em 92 cidades. Entre as 100 turnês mais bem sucedidas, o rapper americano Future foi quem teve os ingressos mais populares, por US$ 34,99 na média, enquanto o concerto de Bruce Springsteen na Broadway teve o preço mais caro: US$ 496,16. Springsteen, aliás, entrou no ranking com dois espetáculos: um na Broadway e a sequência do giro com a E Street Band, que teve a maior arrecadação em 2016.

.

Entre os destaques do ano está a abertura de novos mercados, como parte da Ásia e Oriente Médio, bem como a consolidação de emergentes como a América do Sul. Os quatro dias de residência do U2 no Morumbi, em São Paulo, geraram quase R$ 104 milhões e colocam o estádio no topo de todo o mundo entre as arrecadações com um único artista.

O campo do São Paulo também foi o sexto que mais vendeu ingressos em 2017 para eventos de música, mas a casa do Tricolor ainda ficou atrás da arena do rival Palmeiras. O Allianz Parque foi o segundo colocado, com mais de 550 mil entradas vendidas, e ficou na frente de recintos tradicionais como o Stade de France e o Rose Bowl, que receberam as finais das Copas de 1998 e 1994, respectivamente, do Gillette Stadium, casa do New England Patriots(time de Tom Brady) e Fenway Park, sede do tradicional time de beisebol, Boston Red Sox.

O Brasil ainda teve dois festivais entre os maiores faturamentos do ano passado. O São Paulo Trip e o Lollapalooza ficaram no top 10 da categoria. Entretanto, se o País se especializou em receber grandes espetáculos em lugares abertos como o autódromo de Interlagos, em São Paulo, e a Apoteose, no Rio- além dos estádios, claro- por outro lado, a estrutura para eventos menores não teve o mesmo destaque. Para shows de pequeno porte, se destacaram apenas o Citibank Hall e o Metropolitan, décimo e vigésimo nono na categoria “teatro”.

++INSTAGRAM

++FACEBOOK

OUTRAS HISTÓRIAS:

++OS FABRICANTES DE GUITARRA DO CONGO

++EU QUIS TE LIGAR: UMA PLAYLIST SOBRE TELEFONE

++A HIPÓTESE DE O ARCADE FIRE TER FEITO UM DISCO RUIM DE PROPÓSITO

++COMO GIL E CAETANO AJUDARAM A CRIAR O GLASTONBURY