O crítico do NYT que desancou o ‘Sgt. Pepper’s’ em 1967 e depois descobriu que uma das caixas estava com problema
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O crítico do NYT que desancou o ‘Sgt. Pepper’s’ em 1967 e depois descobriu que uma das caixas estava com problema

E mais...novidades da semana: Liam Gallagher, Foo Fighters, a parceria do Jack White com o Elton John e outra direção para o Arcade Fire

Alexandre Ferraz Bazzan

04 Junho 2017 | 16h28

Em 1967 os Beatles já eram o maior fenômeno pop do mundo e com Rubber Soul e Revolver eles também já tinham o respeito da maior parte da crítica, então, quando eles lançaram o revolucionário Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, todos se renderam de imediato. Jimi Hendrix tocou a música título em um show na Inglaterra(dizem que Paul McCartney observava atônito da plateia) depois de ouvir o disco apenas uma vez. “Cuidado com os ouvidos”, dizia ele.

Todos estavam encantados. Todos menos Richard Goldstein. O crítico escreveu um artigo para o New York Times acabando com o disco. Ele só poupou A Day in the Life. Mais tarde ele iria descobrir que seu aparelho de som estava com uma das caixas estragada. Incrédulo, o repórter Geoff Edgers, do Washington Post, foi atrás de Goldstein 50 anos depois e tentou simular o que o crítico ouviu e o que ele deveria ter ouvido.

Goldstein diz que não foi somente o som que o incomodou na época, mas também o direcionamento artístico que a banda tomava. Ele conta que tinha problemas em sair do armário na época e o rock n’ roll servia como afirmação da masculinidade. Quando sua banda preferida se afastou do ritmo, ele se sentiu desconfortável.

Lançamentos da semana. Entre boatos, depois negados, de uma possível reunião do Oasis em homenagem às vítimas de Manchester, Liam Gallagher fez seu primeiro show solo e lançou oficialmente um single de seu disco, que está programado para outubro.

O vocalista do Oasis se afasta de seu outro projeto, Beady Eye, e chama compositores e produtores para ajuda-lo no que ele chama de ‘canções gigantes’. No show em Manchester ele misturou esse novo material com músicas do Oasis. O Beady Eye parece ter ficado para trás.

Outro que está de volta é Dave Grohl com o Foo Fighters. No clipe de Run, um grupo de idosos toca o terror e foge do asilo depois de ouvir a nova música. É a velha e consagrada fórmula que o ex-baterista do Nirvana usa entre som calmo e explosivo. O vídeo, como sempre, é engraçadinho com os integrantes interpretando eles mesmos, mas já com idade avançada.

O Arcade Fire já tinha divulgado I Give You Power, uma parceria com Mavis Staple, como um desafio ao recém eleito Donald Trump (“eu te dou poder, eu posso tirar de você”). Nesta última semana eles apresentaram Everything Now. A banda sempre teve um som próprio e conseguia fazer deles hits de rádio, agora eles se aproximam de uma música amigável ao rádio. A nova direção poderia alienar alguns dos fãs mais antigos, mas parece que Everything Now foi uma das favoritas do público no festival Primavera Sound.

Por fim, temos o belo dueto entre Elton John e Jack White. O documentário American Epic Sessions, produzido por White, traz vários artistas consagrados gravando em equipamentos dos anos 1920. O guitarrista aponta o fonograma como a primeira democratização na música. “O que as pessoas podiam cantar ao gravador, elas eram proibidas de dizer em público”, diz ele. Esse resgate histórico ainda não foi ao ar, mas podemos ouvir o duo com Elton John.