10 filmes brasileiros da Mostra de São Paulo inspirados em livros
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

10 filmes brasileiros da Mostra de São Paulo inspirados em livros

Seção 'Mostra Brasil' da 41.ª Mostra Internacional de Cinema tem vários filmes que tomaram a literatura como ponto de partida

Guilherme Sobota

17 Outubro 2017 | 16h01

A Mostra Internacional de Cinema de São Paulo chega à sua 41.ª edição este ano com cerca de 390 filmes entre curtas e longas metragens, estreias e reexibições, de filmes inéditos ou consagrados no Brasil.

É o evento em que todos vamos ver filmes persas com legendas em inglês em salas de cinema São Paulo afora, o que é ótimo.

Separei alguns filmes brasileiros que foram inspirados em livros (romances ou contos) ou têm personagens literárias. Notou algum que não está na lista? Manda uma DM lá no Instagram ou nos comentários!

A programação com datas, horários e locais está no site da Mostra. Clique aqui para acessar.


O PADRE E A MOÇA, de Joaquim Pedro de Andrade (1965)

Na estreia do diretor na ficção de longa-metragem, o roteiro é inspirado no poema de Carlos Drummond de Andrade de mesmo título. O filme tem um ar mais solene do que os seus seguintes.

O HOMEM NU, de Roberto Santos (1968)

Comédia dirigida por Roberto Santos, tem roteiro de Fernando Sabino e do diretor, baseado em crônica de Sabino no livro O Homem Nu.

MACUNAÍMA, de Joaquim Pedro de Andrade (1969)

Inspirado no clássico de Mário de Andrade, o filme foi eleito o 10.º melhor filme da história do cinema brasileiro pela Abraccine em 2016.

SEVERINA, de Felipe Hirsch (2017)

O filme é inspirado num conto do escritor guatemalteco Rodrigo Rey Rosa (admirado por Bolaño). Conforme adiantou Ubiratan Brasil em julho, “Severina trata de um amor obsessivo – R., o dono de uma livraria, fica intrigado com uma moça que começa a frequentar sua loja. Logo, ele se descobre em um emaranhado que encobre Ana, moça que rouba volumes de livrarias para ler e compartilhar com um suposto avô. Aos poucos, o desorientado homem descobre que a fronteira entre o racional e o irreal é fina demais”.

TORQUATO NETO – TODAS AS HORAS DO FIM, de Eduardo Ades, Marcus Fernando (2017)

Poeta piauiense se engajou na Tropicália e ajudou a romper com convenções em vários níveis. Tirou a própria vida no dia de seu aniversário de 28 anos, em 1972. O documentário também foi exibido no Festival do Rio.

BERENICE PROCURA, de Allan Fiterman (2017)

Inspirado no livro de Luiz Alfredo Garcia-Roza, o filme de trama policial tem Claudia Abreu como protagonista.

Cena de ‘Berenice Procura’, com Claudia Abreu. Foto: EH! FILMES

A FERA NA SELVA, de Paulo Betti, Eliane Giardini, Lauro Escorel (2017)

“O longa, baseado numa novela de Henry James, dirigido e interpretado por Eliane Giardini e Paulo Betti, co-dirigido e fotografado por Lauro Escorel, adota tom teatral e não naturalista”, segundo Luiz Zanin Oricchio, lá no blog dele.

CALLADO, de Emília Silveira (2017)

Documentário faz perfil do jornalista e escritor Antonio Callado (1917-1997). O Sérgio Augusto escreveu no Aliás sobre o filme.

CARTAS PARA UM LADRÃO DE LIVROS, de Caio Cavechini, Carlos Juliano Barros (2017)

Laéssio Rodrigues de Oliveira é considerado pelas autoridades brasileiras o maior ladrão de livros raros do País — o documentário buscar contar a história do jovem balconista de padaria e por meio dela mostrar a “necessidade do Brasil de cuidar da própria história”.

NÃO DEVORE MEU CORAÇÃO, de Felipe Bragança (2017)

O filme com Cauã Reymond é inspirado em dois contos de Joca Reiners Terron.