Sucesso de Scholastique Mukasonga impulsiona catálogo da editora Nós
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Sucesso de Scholastique Mukasonga impulsiona catálogo da editora Nós

E ainda na Babel: Leandro Karnal e padre Fábio de Melo juntos em livro, a trilogia da dor de João Silvério Trevisan, Rosa Luxemburgo em HQ e Margaret Atwood

Maria Fernanda Rodrigues

11 Agosto 2017 | 22h36

MERCADO
Sucesso de Scholastique impulsiona catálogo da Nós

Scholastique Mukasonga

(Foto: Juliana Lubini)

A repercussão da passagem de Scholastique Mukasonga, nascida em Ruanda e radicada na França, pelo Brasil – ela participou da Flip e se encontrou com Lula – foi tanta que ajudou os outros autores da Nós. Quem for às lojas da Livraria da Vila, por exemplo, vai encontrar os 23 títulos do catálogo. Outras livrarias também fizeram suas encomendas e a editora independente de Simone Paulino está entrando em locais onde nunca esteve. Mas Scholastique segue sendo sua estrela principal, a primeira best-seller da editora. Só a Saraiva acaba de pedir 1.500 exemplares de A Mulher dos Pés Descalços e Nossa Senhora do Nilo (o 1.º e o 4.º mais vendidos na Flip, respectivamente). E vem mais por aí. Até o fim do ano deve sair Baratas que, com os outros dois, encerra uma espécie de trilogia sobre o genocídio em Ruanda. O livro foi anunciado ontem, 11, como finalista de prêmio PEN, nos EUA – na entrega, em setembro, Margaret Atwood será homenageada.

FICÇÃO
Atwood redescoberta
Por falar em Margaret Atwood, a Rocco lança, em setembro, nova edição Vulgo, Grace com o mesmo projeto gráfico feito recentemente para Dicas da Imensidão e O Conto da Aia – livro de 1985 que voltou às listas de mais vendidos com a eleição de Trump e ganhou novo fôlego com a recente adaptação pelo serviço de streaming Hulu. Lançado aqui em 2006, ele não tinha tido nenhuma reimpressão até maio. De lá para cá, já foram três.


CINEMA
Para todas as idades
Estreia em outubro Sem Fôlego, baseado em livro homônimo de Brian Selznick – autor também de A Invenção de Hugo Cabret. Os livros saíram pela SM.

HQ
Rosa e a revolução

rosa luxembrugo

A irlandesa Kate Evans vem ao País em outubro para lançar Rosa Vermelha (WMF Martins Fontes), HQ sobre Rosa Luxemburgo (1871–1919; acima). Vai coincidir com as celebrações do centenário da Revolução Russa e com a semana que a Martins Fontes Paulista promoverá em homenagem a Rosa.

BIENAL – 1
Antes de Dan Brown
Apesar da conjuntura, a Sextante está otimista em relação à Bienal do Livro do Rio, que começa dia 31. Ela terá o maior estande de sua história, com 250 m², e vai levar 30 mil exemplares para lá – e 500 mil marcadores de página. Hoje, ela lidera a lista anual de mais vendidos do PublishNews – e ainda vem Origem, o novo de Dan Brown, em outubro.

BIENAL – 2
Livro interativo
A HarperCollins Brasil lança, na Bienal, #PorQueEuLeio, obra interativa em que o leitor poderá, por exemplo, terminar uma história, criar nomes de personagens, indicar livros que poderiam virar filme e por aí vai.

NACIONAL
Trilogia da dor
João Silvério Trevisan, que lança o romance Pai, Pai em setembro, já acertou com a Alfaguara outros dois títulos, também autobiográficos, que encerram o que ele está chamando de Trilogia da Dor – sobre dores provocadas por três tipos de amor: do pai, do irmão e do companheiro.

NÃO FICÇÃO
Debate ateu religioso
Padre Fábio de Melo fez voto de se dedicar a Deus. Para Leandro Karnal, Deus não existe. Os dois conversaram longamente e o resultado pode ser conferido, no final de setembro, em Crer ou Não Crer. Sai pela Planeta em tiragem de nada menos de 50 mil exemplares.