Escritores prestam homenagem a crianças mortas por bala perdida em antologia-protesto
As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Escritores prestam homenagem a crianças mortas por bala perdida em antologia-protesto

Textos começam a ser publicados neste sábado, 8. E ainda na Babel: Rocco fora do Jabuti, a marroquina Leïla Slimani no catálogo da Tusquets, 'Diário de Um Desesperado', de Friedrich Reck-Malleczewen, e um livro juvenil sobre a perseguição nazista a homossexuais a caminho das livrarias, etc.

Maria Fernanda Rodrigues

07 Julho 2017 | 21h55

PROTESTO
Crianças mortas no Rio são homenageadas em antologia

Enterro de Vanessa dos Santos, morta, aos 10 anos, no Rio de Janeiro (Foto: Ricardo Moraes/Reuters)

Quem entrar no site da revista São Paulo Review deste sábado, 8 – e pelos próximos dias – vai encontrar uma série de textos dedicados a cada uma das crianças mortas nas comunidades carentes do Rio de Janeiro, vítimas de balas perdidas de uma guerra que não era delas. Mais de 30 autores toparam participar dessa antologia-manifesto, que pode virar livro depois. A ideia é que eles escrevam um conto, uma crônica ou poema para cada criança. Os textos serão publicados de forma anônima e virão acompanhados da tarja ‘luto’. Os nomes das crianças mortas homenageadas podem ser mencionados ou não, ficando a critério dos autores. Devem entrar no ar de três a quatro textos por semana.

ROMANCE – 1
Literatura marroquina

A escritora Leila Slimani, vencedora em 2016 do Goncourt (Foto: Jacky Naegelen/Reuters)

Depois de um leilão disputado, a Planeta comprou os direitos de Chanson Douce e de Dans le Jardin de L’Ogre, obras da festejada escritora marroquina Leïla Slimani, de 35 anos. O primeiro, vencedor do Goncourt no ano passado, é um romance baseado na história real da babá que matou as duas crianças que cuidava e tentou se matar em seguida. A obra já começa com a frase: “A criança estava morta”. Daí em diante acompanhamos como as coisas chegaram a esse ponto. Sai até o começo de 2018 pelo selo Tusquets. O segundo, que ela lançou em 2014, conta a história de uma dona de casa perfeita que vive em segredo sua ninfomania e também está previsto para o ano que vem.

ROMANCE – 2
Épico cosmopolita
Terceiro romance premiado de Luis S. Krausz, professor de literatura hebraica e judaica da USP, Outro Lugar, vencedor do Prêmio Pernambuco, será lançado dia 28, em Garanhuns.

HISTÓRIA
Memória da guerra
Pouco conhecido aqui, o escritor alemão Friedrich Reck-Malleczewen (1884-1945), de perfil conservador, monarquista e católico, foi um antinazista que não se encaixava no perfil dos que combatiam Hitler. Entre 1936 e 1944, ele escreveu – e escondeu no mato – o que se tornou, após sua morte em Dachau, o Diário de Um Desesperado. André Caramuru Aubert traduziu o livro, que deve sair pela editora Sesi-SP em agosto.
*
E a Melhoramentos está lançando Marcados Pelo Triângulo Rosa, obra juvenil do canadense Ken Setterington sobre a perseguição nazista a homossexuais.

FESTIVAL
Política e mercado
A Câmara Brasileira do Livro, que teve, nos últimos anos, com a Senac, casa na Flip e programação mais focada em gastronomia e no Jabuti, vai espalhar seus debates sobre políticas públicas do livro e leitura por locais como a Câmara dos Vereadores e a Casa Publishnews durante o festival em Paraty.

PRÊMIO
E por falar em Jabuti
Uma decisão da Rocco está pegando de surpresa seus autores: ela não vai inscrever nenhum livro no Jabuti. Cada inscrição custa R$ 285 para os associados da CBL. Os autores que quiserem concorrer vão ter que desembolsar R$ 430.

0 Comentários