Companhia das Letras será selo editorial em Portugal
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Companhia das Letras será selo editorial em Portugal

Chico Buarque será o primeiro autor do selo dedicado a publicar autores lusófonos. Enquanto isso, na Espanha, a biblioteca digital Nuvem de Livros faz sua estreia

Maria Fernanda Rodrigues

21 Janeiro 2015 | 12h13

(Foto: Bob Wolfenson/Divulgação)

(Foto: Bob Wolfenson/Divulgação)

Com o lançamento de O Irmão Alemão, de Chico Buarque, em fevereiro, a editora Companhia das Letras inicia sua operação em Portugal. Lá, ela será um selo da Penguin Random House Grupo Editorial – do qual faz parte – para publicação de obras de autores de língua portuguesa.

Além de Chico, Vinicius de Moraes, Carlos Drummond de Andrade, Fernanda Torres, Sérgio Rodrigues e Raphael Montes terão livros lançados neste primeiro ano. Os portugueses Afonso Cruz e João Tordo e o angolano Ricardo Adolfo também estarão no catálogo que será organizado por Clara Capitão, diretora do grupo no país. Estão previstos 12 livros em 2015.

A decisão deve refletir também no mercado editorial nacional, já que a Companhia das Letras, editora de José Saramago e Mia Couto no Brasil, quer mais lusófonos entre seus autores. Ainda em 2015 ela lança, aqui, A Biografia Involuntária, de João Tordo, conhecido do leitor brasileiro por obras publicadas pela Língua Geral e Leya. A obra de Tordo saiu em seu país pela Alfaguara, que desde março de 2014 pertence ao mesmo grupo da editora de Luiz Schwarcz – um indício de que o mercado caminha para uma maior concentração.


“A Companhia agora chega a Portugal, para mostrar um pouco da sua cara, na terra de José Saramago e de tantos escritores que ligaram ainda mais nossos países. E por aqui será um pouco mais portuguesa, com a mesma alegria”, disse Schwarcz em comunicado.

“Poder trabalhar com uma chancela de tal prestígio é um sonho e uma responsabilidade. E também uma oportunidade para autores terem uma casa nos dois lados do Atlântico”, escreveu Clara Capitão.

A declaração de John Makinson, chairman da Companhia das Letras, no mesmo comunicado, pode incomodar a concorrência: “A criação do selo Companhia das Letras em Portugal é uma extensão natural e desejada da posição preeminente da Companhia no mercado editorial brasileiro. A Companhia não tem par como editora literária no Brasil e nos dá grande satisfação saber que as suas qualidades e relações literárias e a sua marca de prestígio irão enriquecer a comunidade editorial em Portugal”.

Na Espanha. Enquando isso, em Madri, a Nuvem de Livros inaugura sua plataforma em espanhol.  Criada em 2011 pela Gol Mobile, a biblioteca digital chegou nesta quarta-feira ao país com um acervo de três mil volumes (livros, audiolivros, jogos educativos e notícias produzidas pela EFE e AFP). O conteúdo da Biblioteca Virtual Miguel de Cervantes reforça o catálogo.

Assim como quando foi inaugurada no Brasil, a biblioteca pode ser acessada apenas por clientes de uma empresa telefônica – no caso de lá, a Orange. A assinatura custa  3,99 por mês. Aqui, qualquer pessoa pode assinar agora, mas clientes da Vivo e do Terra têm desconto. São 11 mil livros e outros 4 mil conteúdos por menos de R$ 20 mensais.

(Atualizada às 16h30)