Brasileiro diz que não lê por falta de tempo, gosto e paciência
As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brasileiro diz que não lê por falta de tempo, gosto e paciência

E mais na Babel: o novo livro de poemas de Armando Freitas Filho, coletânea de autores contemporâneos na Bulgária, 'Lampião e Lancelote', o nonsense de Edward Lear e a youtuber Karol Pinheiro

Maria Fernanda Rodrigues

13 Maio 2016 | 23h02

PESQUISA
Brasileiro diz que não lê por falta de tempo, gosto e paciência

índice de leitura

(Foto: Marcos de Paula/Estadão)

Na quarta, 18, serão revelados os resultados da nova edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil. Além de anunciar o novo índice de livros lidos por pessoa no País, o Instituto Pró-Livro vai mostrar que a falta de tempo é o principal argumento usado pelos que se dizem não leitores para não iniciarem um livro. E os mais habituados à leitura dizem que leriam mais se tivessem mais tempo. Muitos também disseram que não leem simplesmente por falta de gosto, paciência e concentração. Problemas de visão também foram citados. A cada edição do levantamento diminui a proporção dos que afirmam não ter nenhuma dificuldade para ler. Outra informação: quanto menos escolaridade tem o entrevistado, menos prazerosa é a percepção da leitura. Um seminário na Unibes Cultural vai debater esses e outros dados.

POLÍTICA
Pedido de demissão
José Castilho Marques Neto encaminhou na sexta, 13, ao novo ministro da Educação e Cultura, Mendonça Filho, seu pedido de demissão da secretaria executiva do Plano Nacional do Livro e Leitura. Em entrevista ao Caderno 2 na quinta, sobre o encaminhamento, para não deixar cair no esquecimento, do projeto de lei do livro para a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Livro, da Leitura e da Biblioteca, ele disse: “Eu me recuso a ficar num governo que assume dessa forma”.

CRÔNICA
500 mil leitores?
Se 2015 foi o ano do livro para colorir, a aposta agora, para quem não tem padre ou pastor pop no catálogo, é nos livros sobre games e de celebridades de internet. A Verus lança, em junho, As Coisas Mais Legais do Mundo, com crônicas da youtuber Karol Pinheiro, que tem 525 mil seguidores em seu canal.

FICÇÃO
Um pouco de nonsense
Conversando com Varejeiras Azuis, organizado e traduzido por Dirce Waltrick do Amarante, traz textos em prosa e verso menos conhecidos de Edward Lear (1812-1888), mas importantes para a história do nonsense e dos vitorianos. Sai no fim do mês, pela Iluminuras.

NÃO FICÇÃO
Ditadura investigada
Chega às livrarias, no início de junho, o quinto volume da série de Elio Gaspari sobre a ditadura militar. Uma curiosidade sobre o e-book de A Ditadura Acabada: ele virá em duas versões. A de R$ 29,90 traz o texto e mais de 30 documentos históricos. Por mais R$ 10, o leitor leva isso e mais um áudio de Tancredo Neves, com trecho do discurso proferido em 15 de janeiro de 1985, após o anúncio da vitória da eleição indireta que marcou o fim da ditadura, e 11 vídeos, com depoimentos de, entre outros, Zuenir Ventura e Heloisa Buarque de Hollanda.
*
A série do jornalista é editada pela Intrínseca e aborda o período de 1978 a 1985.

INFANTIL
Novo destino

Lampião e Lancelote

Editado pela Cosac Naify, vencedor de dois Jabutis e de quatro prêmios da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil e menção honrosa no Bologna Raggazzi 2007, Lampião e Lancelote, de Fernando Vilela, estreia em agosto no catálogo da Zahar.

INTERNACIONAL
Contos em búlgaro
Está saindo na Bulgária, pela Vessela Lutzkanova, a coletânea Emoção, organizada por Stephane Chao com contos de Alberto Mussa, Raimundo Carrero, Antônio Torres, João Gilberto Noll, Tailor Diniz, Lúcia Bettencourt, Rafael Sperling, Maria Carolina Maia e outros.

POESIA
Carpintaria poética
Depois de Lar, (2009) e Dever (2013), Armando Freitas Filho encerra sua ‘trilogia involuntária’ com Rol. A obra, com mais de 100 poemas, será lançada pela Companhia das Letras na abertura da Flip, quando será exibido o documentário de Walter Carvalho sobre o poeta, e quando Armando fala sobre Ana Cristina Cesar. Poemas que não encontraram lugar em Dever deram origem ao novo livro, que aborda questões de ordem cotidiana, erótica e lírica.

0 Comentários